Vereadora Ireuda Silva faz análise sobre consciência negra


O Dia da Consciência Negra é comemorado em 20 de novembro. A data faz referência ao dia da morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo de Palmares, que lutou para preservar o modo de vida dos africanos escravizados que conseguiam fugir do cativeiro. A comemoração sugere uma reflexão sobre a situação desta parte da população, bem como, sobre a realidade do mundo nos tempos atuais e do nosso comportamento em relação a esse panorama. Conversamos com a empresária, palestrante, ativista social e vereadora da cidade de Salvador (BA), Ireuda Silva. Crista evangélica e mãe, Ireuda faz uma análise objetiva sobre os desafios que a população negra enfrenta, bem como as possíveis estratégias para reverter esse panorama.

WhatsApp Image 2019-11-20 at 08.53.09
Vereadora Ireuda Silva Foto: Leone Serafim

Carvalho News – O que o Dia da Consciência Negra simboliza para a senhora?

Ireuda Silva – O Dia da Consciência Negra é um dia de reflexão que simboliza as inúmeras conquistas que precisamos ter em busca de igualdade, pois diariamente ainda somos vítimas de racismo. Enquanto formos os cidadãos mais afetados pelas desigualdades do Brasil, precisaremos de um dia para lembrar que a escravidão acabou há mais de 100 anos e já está mais do que na hora de sermos totalmente integrados à sociedade brasileira.

CN – A população negra brasileira tem motivos para comemorar nesta data?

Ireuda Silva – Acredito que não pois ainda são os negros que diariamente aparecem nos noticiários sendo vítimas de bala perdida, desemprego, racismo, dificuldade em atendimento na área da saúde, e mesmo após 100 anos da abolição da escravatura a população negra ainda sofre com descaso.

CN – O que fazer para resgatar a autoestima da população negra brasileira?

Ireuda Slva –  Além de ocorrer a efetivação das políticas públicas, se faz necessário reconhecer a usurpação durante todo período de escravidão, porque ainda somos a minoria nas faculdades e em espaço de poder.

CN – Como é ser negro no Brasil?

Ireuda Silva – Ser negro no Brasil é sofrer diariamente com o preconceito que infelizmente está presente em nosso cotidiano independentemente de seu cargo ou posição social. É receber um olhar de desconfiança nos shoppings, nas lojas de grife, em diversos lugares que infelizmente parte da sociedade ainda acha que o negro não se pode fazer presente.

CN – Alguns negros costumam afirmar que negros não são unidos. Que negro não vota em negro. Que negro que possui canal no Youtube não tem muitos negros inscritos etc. Isso é verdade? E. em caso de positivo, a que isso se deve? É possível modificar essa realidade?

Ireuda Silva – Infelizmente é preciso admitir! Acredito que justamente pela opressão vivida pela “raça” temos esse reflexo, o que não deixa de ser negativo, onde um número de negros ainda não entende a grande necessidade dessa real união para se obter o devido crescimento, uma ascensão em todos os campos.

maria felipa
Maria Felipa de Oliveira

CN – Muito tem se falado sobre o Governo de Jair Bolsonaro. O que os negros podem esperar desta gestão?

Ireuda Silva – Acredito que o atual Presidente deve realizar uma gestão pensando em todos os brasileiros e com olhar especial para a reparação da população negra que ainda necessita de uma política pública de reparação, haja vista que viveram séculos como pessoas esquecidas pelo poder público.

 

CN – Jair Bolsonaro é um político que sempre “chocou” as pessoas com declarações homofóbicas, preconceituosas, racistas e misóginas. Entretanto, ainda presenciamos negros, mulheres, gays, lésbicas, nordestinos e pobres defendendo sua postura agressiva e pouco diplomática. Como a senhora avalia esse panorama?

Ireuda Silva – O Presidente deve ter uma postura que todos os brasileiros esperam, trabalhar em prol de todas as pessoas, independentemente de cor, raça, religião, região do país e outros fatores.

 

CN – Qual sua avaliação sobre os nossos representantes no Senado e na Câmara?

Ireuda Silva – Infelizmente ainda não temos uma grande representatividade no Congresso pois embora seja um estado majoritariamente formado por negros e pardos, esse cenário não se reflete no número de senadores e deputados. Temos também uma representatividade feminina que ainda é relativamente baixa. É preciso ter força, raça em uma luta justa para mudar esse cenário.WhatsApp Image 2019-11-20 at 08.53.47

CN – Quais as personagens negras que merecem suas honrarias e ou conseguiram conquistar a sua admiração e respeito?

Ireuda Silva – Temos como exemplo a Maria Felipa, que ajudou a lutar pela independência do Brasil. Na Câmara de Salvador, temos um prêmio concedidos a mulheres negras com seu nome. Podemos citar ainda Dandara, que lutou contra o sistema escravocrata no século XVII; Maria Firmina dos Reis, a primeira escritora brasileira; Antonieta de Barros, a primeira deputada estadual negra do Brasil, no início do século passado.

CN – Há quanto tempo a senhora é vereadora, e o que a levou a ingressar na vida pública?

Ireuda Silva – Sou vereadora de primeiro mandato, entrei na política com o objetivo de contribuir para uma sociedade mais justa.

CN – Qual sua proposta de trabalho?

Ireuda Silva – Minha principal proposta é trabalhar por Salvador tendo como minhas principais bandeiras a igualdade racial, a valorização da mulher e o combate à violência doméstica e familiar, além de lutar diariamente pelo social como um todo.

CN – Quais os maiores desafios que tem enfrentado?

Ireuda Silva – Meus desafios são diários e se iniciaram a partir do meu nascimento, por ser mulher e negra, que busca a todo momento trabalhar pela cidade e pelos mais necessitados.

Aulas do Fortalece Igualdade começam segunda-feira em Caruaru


O município de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, inicia na próxima segunda-feira (8), o projeto Fortalece Igualdade, uma iniciativa da Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação do Estado que contou com o apoio do governo federal e da prefeitura do município. Ao todo, 25 pessoas da população negra, pertencente à comunidade LGBTQ+, participará do curso de Noções de

Turma do Fortalece Igualdade do Recife.
Turma do Fortalece Igualdade do Recife. Foto: divulgação

Risco e Corte, Modelagem em Moda Praia e Moda Íntima. As aulas começam às 13h, no Centro de Qualificação Profissional, localizado na Rua Roberto Simonsen, 201D, Salgado.

O Projeto Fortalece Igualdade é resultado de uma parceria entre a Seteq e o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. As prefeituras estão ajudando com a cessão do local. Ao todo, 200 vagas estão sendo ofertadas para capacitação.

No Estado, são quatro cursos gratuitos de qualificação profissional disponibilizados para sete municípios pernambucanos de forma inédita. As inscrições continuam abertas para Olinda, Paulista, Petrolina e Garanhuns. Mais informações, entre no site www.seteq.pe.gov.br .

São Paulo: prefeitura vai oferecer curso de português para 300 venezuelanos


 Uma parceria entre a Prefeitura de São Paulo e o Centro Universitário Ítalo-Brasileiro vai oferecer curso de português a refugiados. Serão disponibilizadas 50 vagas no campus da instituição em Santo Amaro, na zona sul. A cidade deve receber 300 estrangeiros como parte do programa de interiorização dos imigrantes que cruzaram a fronteira em Roraima para escapar da crise econômica e política na Venezuela. Até o momento, 161 venezuelanos estão na capital paulista.

Segundo o secretário municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Felipe Sabará, os participantes do curso serão selecionados a partir do processo de documentação. Aqueles que tiverem a situação resolvida poderão participar das aulas. “Todos terão direito a cursos, mas nesse primeiro momento, a triagem vai ser baseada naqueles que tem a documentação mais finalizada”, disse após o anúncio. O curso de português terá uma carga total de 30 horas.

Além das aulas, o prefeito Bruno Covas ressaltou que a administração municipal está tentando forma de incluir os imigrantes no mercado de trabalho. “A prefeitura está buscando espaço no mercado de trabalho com empresas de call center que, inclusive, precisam de pessoas que falem o espanhol para poder atender em espanhol”. Os venezuelanos estão sendo abrigados em Centros Temporários de Acolhimento, voltados para o atendimento da população em situação de rua.

Venezuelanos-no-Brasil-800x420
Venezuelanos entrando no Brasil Foto: divulgação

Processo de aprendizagem

Para o fundador do Instituto Adus, organização não governamental que trabalha com integração de refugiados, Marcelo Haydu, o processo com os venezuelanos tem sido melhor do que com os haitianos, durante a crise migratória de 2014. “Diferente do que foi feito com os haitianos, que praticamente foram escorraçados lá do Acre. Dessa vez, teve uma ação um pouco mais bem estruturada”, avaliou.

A ideia de trazer os estrangeiros, atualmente concentrados em Roraima, para São Paulo também é acertada na opinião de Haydu. “Eu acho que São Paulo deveria acolher a maior parte dessas pessoas. Não sei se, na prática, isso vai se concretizar, mas eles deveriam ir para as cidades e estados mais bem estruturados. E São Paulo, dentro do Brasil, é o estado mais bem estruturado para receber refugiados e imigrantes”.

Sobre o curso de português oferecido pela parceria da prefeitura, o diretor da ONG disse não ter condições de fazer uma análise específica, por não conhecer a metodologia.  Ele comparou com os resultados obtidos pelo Adus. “Geralmente, em um módulo de três meses com quatro horas por semana, essas pessoas saem com um nível razoável. As pessoas conseguem entender bem o que está sendo dito, se comunicar”.

O domínio da língua costuma chegar, no entanto, segundo Haydu, com um pouco mais de estudo. “Em seis meses, a pessoa estando no país em contato com brasileiro, sai com nível, pelo menos de audição e oral, bem satisfatório”, disse ao explicar o método de trabalho da ONG. O instituto tem uma metodologia voltada para o aprendizado de pessoas em situação de refúgio com dois módulos de três meses de aulas.

Haydu disse que as condições de aprendizagem variam muito para cada pessoa, dependendo da dedicação e do contato com a língua. “O desenvolvimento dessas pessoas que aprendem um idioma, vai muito de cada um, depende da situação que essa pessoa se encontra”.

De acordo com a Casa Civil da Presidência da República, cerca de 32 mil venezuelanos já pediram refúgio ou residência temporária no Brasil desde 2015, quando começou o fluxo migratório para o país. Mas o fluxo na fronteira é ainda maior, já que muitos deles voltam à Venezuela para buscar parentes ou levar dinheiro para quem ficou. Por dia, entram de 600 a 800 venezuelanos no Brasil, mas eles não necessariamente se estabelecem no Brasil.