Festa da Puxada do Mastro será realizada em Olivença


A tradicional festa da Puxada do Mastro de São Sebastião, será realizada de 10 a 12 de janeiro, no distrito de Olivença, Ilhéus (BA). O evento será realizado pela Prefeitura Municipal por meio da Secretaria de Cultura e Turismo (Secult) e em parceria com Associação dos Machadeiros de Olivença (AMO).  A programação da festa dos “Caboclos de Olivença”, como também é conhecida, reúne cultura e atrações com shows de bandas locais para os ilheenses, visitantes e turistas. Os três dias de evento contarão com as presenças das 68ª e 69ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) da Bahia.

Integrada ao calendário turístico da cidade, a Puxada do Mastro, começa na sexta-feira (10), com desfile cultural às 16h. Logo após, segue-se a exposição da 5ª Mostra Literária “Nos Resistimos e Existimos”, seguida de apresentações. Às 19h30 será realizada a missa na Igreja Nossa Senhora da Escada e a partir das 20h30 shows das bandas Vai dar Samba e Realce, no palco montado na Praça de Olivença.

No sábado (11), a programação se inicia às 17h com apresentações culturais de grupos e convidados, seguida da procissão e missa de São Sebastião às 19h30. A partir das 21h, show de Batuque Bom, Kauã Araújo e Alan Diniz. Já no domingo (12), os festejos começam com a alvorada às 5h na praça com caminhada e cânticos, missa matinal, rituais indígenas na mata de Ipanema e com participação por puxadores do mastro. A partir das 16h, as atrações como Top Gan, Lê Bandê, PagoFunk se apresentam no terceiro dia do festejo.

De acordo com o Secretário de Cultura e Turismo de Ilhéus, Fábio Manzi Jr., a parceria entre o poder público e a sociedade civil é fundamental no processo de reconhecimento e valorização da cultura local. “A Puxada do Mastro traz os sentidos de pertencimento e identidade para o ilheense. Todos estão convidados a participar desse evento secular e que renova uma memória própria de Ilhéus, que integra a história da cidade, e que por isso é tão importante”, destacou Manzi Jr.

Segundo informações do historiador e etnógrafo ilheense, Erlon Costa Tupinambá, a festa se inicia com o ritual da escolha da árvore na Mata de Ipanema, feita por um grupo de machadeiros. No segundo domingo de janeiro, a árvore é transformada em mastro e toda a comunidade é convidada a ir à mata e trazer o tronco até o centro de Olivença.

A sacralidade também é um elemento fortemente presente na festividade. Conforme a dissertação “Da corrida de Tora ao Poranci: a permanência histórica dos Tupinambás de Olivença no Sul da Bahia” de autoria do historiador Erlon, alguns entrevistados apontavam São Sebastião como a figura de um “encantado”. Durante o festejo, após a derrubada da árvore em homenagem ao santo católico, há as práticas de retirada das cascas do mastro para fazer chá, com crença de cura de enfermidades e atração de sorte, quando colocadas na carteira.

Segundo a tradição e crença, as cordas utilizadas para puxar o mastro servem de enfeites e de proteção para o corpo e a alma. Transcorrida a festividade, o mastro é substituído na praça, o tronco novo é retalhado e o antigo guardado junto com o mastaréu para ser queimado nos festejos juninos.

Os eventos que antecedem a Puxada do Mastro reúnem jovens nativos e crianças, que também participam do festejo através do Mastaréu, um pequeno mastro específico puxado até chegar à primeira praia. São realizadas apresentações culturais como o Bando dos Mascarados; Terno das Camponesas (Terno de Reis) e o Boi Estrela, manifestação cujas mulheres da comunidade se destacam. Todos esses folguedos são embalados ao som da zabumba e do sino do badalo.

Nos últimos anos, o fator sustentabilidade inseriu aos festejos novos rituais com destaque para o replantio de árvores no local da cepa, onde ocorre a derrubada do tronco, explicou o historiador Erlon.

 

Demarcação de terras indígenas volta a ser de competência da Funai


O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu liminarmente trecho de Medida Provisória do governo Jair Bolsonaro (PSL) que transferiu a demarcação de terras indígenas para a competência do Ministério da Agricultura, comandado pela ministra Tereza Cristina.

O ministro acolheu pedidos em ações movidas pela Rede Sustentabilidade, pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT). A decisão faz com que a função volte, provisoriamente, à Fundação Nacional do Índio (Funai).

O texto da MP agora suspenso pela decisão do ministro prevê que a competência da Agricultura compreende a identificação, o reconhecimento, a delimitação, a demarcação e a titulação das terras ocupadas pelos remanescentes das comunidades dos quilombos “e das terras tradicionalmente ocupadas por indígenas”. A mudança é um pedido da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), maior bancada do Congresso.

Segundo Barroso, a “transferência da competência para a demarcação das terras indígenas foi igualmente rejeitada na atual sessão legislativa”. “Por conseguinte, o debate, quanto ao ponto, não pode ser reaberto por nova medida provisória. A se admitir tal situação, não se chegaria jamais a uma decisão definitiva e haveria clara situação de violação ao princípio da separação dos poderes”.

“A palavra final sobre o conteúdo da lei de conversão compete ao Congresso Nacional, que atua, no caso, em sua função típica e precípua de legislador. Está, portanto, inequivocamente configurada a plausibilidade jurídica do pedido, uma vez que, de fato, a edição da MP 886/2019 conflita com o art. 62, §10, CF”, escreve.

“Está presente, ainda, o perigo na demora, tendo em vista que a indefinição da atribuição para demarcar as terras indígenas já se arrasta há 6 (seis) meses, o que pode, por si só, frustrar o mandamento constitucional que assegura aos povos indígenas o direito à demarcação das áreas que ocupam (art. 231, CF) e comprometer a subsistência das suas respectivas comunidades”, anotou.

Luiz Caldas


Ele nasceu em Feira de Santana (BA), participa de shows desde os 10 anos e é considerado um dos grandes divulgadores da música baiana. Estamos falando de Luiz Caldas, cantor e compositor, que atravessa décadas sempre apresentando músicas que agitam multidões. O “Pai do Axé”, como é carinhosamente reconhecido, falou com a reportagem do Carvalho News sobre carreira, vida pessoal e outros temas interessantes. Quer saber mais? Então não perca tempo e leia a entrevista abaixo.

Luiz Caldas2
Fotos: Divulgação

 

Carvalho News – Nas últimas décadas, temos observado o surgimento de muitos cantores (as) e bandas, mas também notamos o desaparecimento de muitos desses artistas. Por que isso ocorre?

Luiz Caldas – É o fenômeno da indústria cultural, que tem que lançar novidades para se movimentar. Isso é uma questão histórica

CN – O povo do Sudeste sentiu muito a sua falta durante algum tempo. O que houve?

Luiz Caldas – Eu me recolhi para reconstruir a minha produção musical e hoje me orgulho de lançar um disco por mês, e já são mais de três anos lançando canções inéditas. A prova está no meu site www.luizcaldas.com.br  Nesse período eu continuei trabalhando em outras regiões do Brasil, que é um país continental.

CN – Em 2010, você lançou o álbum “Tupi – Nheengara Recé Taba. Qual o seu vínculo com a nação indígena brasileira?

Luiz Caldas – Os índios são os verdadeiros descobridores do Brasil. Este disco em tupi é para dizer que aqui já existia um Brasil, bem antes da chegada dos portugueses. O meu vínculo com os índios é de reconhecimento e de gratidão por tudo que eles semearam, como as palavras que estão presentes na nossa língua corrente.

luizcaldas

CN – Você é um artista antenado com o cenário musical brasileiro. Qual sua avaliação do nosso atual momento, em relação às possibilidades de surgirem novas estrelas e astros da nossa música?

Luiz Caldas – Um Brasil é um país aberto às novas possibilidades porque somos musicais desde sempre. A avaliação é das mais positivas, porque temos as ferramentas tecnológicas para desaguar as novíssimas produções, por conta da Internet e das redes sociais, por exemplo. Além do mais, o público espera pelo novo e o novo existe em cada um de nós.

CN – O que significa para você ser o “Pai do Axé”?

Luiz Caldas – Reconhecimento por tudo que fiz para a música gerada na Bahia.

CN – Você é de origem pobre e teve que se esforçar muito para chegar onde está. Qual a melhor lembrança que guarda de sua infância?

Luiz Caldas – Brincar com a imaginação, transformando objetos em instrumentos musicais, como latas e cabo de vassoura.

CN – Quais os momentos mais marcantes da sua carreira?

Luiz Caldas – Todos os momentos valem para sempre, mas as apresentações no programa do Chacrinha, por exemplo, continuam presentes, pois Chacrinha além de acolher a minha musicalidade me disse, no camarim, que eu estava reinventando a música baiana. Ele estava fazendo uma premunição que terminou acontecendo.

CN – O que é sucesso para você?

Luiz Caldas – Sucesso é estar feliz com o que se faz. Eu faço um disco por mês e em estilo diferente e já são mais de 15 milhões de downloads desses discos. O sucesso, para mim, é isso, e passa pela minha felicidade.

CN – Fale-nos um pouco sobre o seu projeto atual: Malê no Mali.

Luiz Caldas – Malê no Mali é um disco de Axé Music que mostra que a alegria da Axé Music reina dentro de mim, desde sempre. Esta canção que batiza o disco é uma parceria com o poeta e escritor César Rasec, que também faz as capas dos meus discos mensais. Malê no Mali é um caminho para mostrar que a música não tem fronteiras e que a Bahia e a África estão unidas desde sempre.

luiz_caldas_-_o_axe_5

CN – O Luiz Caldas é politizado? O que tem achado das descobertas feitas pela Polícia Federal em relação à Operação Lava Jato, por exemplo?

Luiz Caldas – Sou totalmente politizado, mas deixo essa politização silenciosa dentro de mim.

CN -Como você tem encarado todo esse movimento de “moralização” do Brasil, que vem ocorrendo nos últimos anos?

Luiz Caldas – São etapas da democracia. São avanços que se consumam gradualmente.

CN – Quais seus projetos futuros?

Luiz Caldas – Manter a produção de um disco por mês, e não tenho prazo para dar um ponto final neste projeto musical, que é um projeto de vida. Creio que, no mundo, não tenha um artista com tantos lançamentos de canções inéditas como eu e em estilos diferentes. A cada dia, é fato, este projeto atinge outras pessoas e mais outras pessoas e o mundo saberá que um brasileiro se doou à música por amar a música e por ser música. O tempo está se encarregando de tudo. Vem agora em março um disco experimental com canções sensoriais ligadas aos elementos da natureza. Eu fico me reinventando a cada mês e agradeço a Deus por me dar essa capacidade de reinvenção.