Governo garante R$ 224 milhões para reforma de 11 aeroportos


O governo assinou nesta terça-feira (19) os termos de compromisso para a modernização e reforma de 11 aeroportos regionais distribuídos em sete diferentes estados. O repasse de R$ 224 milhões para as unidades da federação e municípios foi oficializado durante solenidade ocorrida no Ministério dos Transportes, em Brasília.

Durante o evento, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, que também é o coordenador-geral do programa Agora, é Avançar, disse que os investimentos vão garantir o atendimento da demanda pela locomoção de forma cada vez mais regional. “Somos um país continental. O modal que vai garantir a mobilidade das pessoas é o aéreo. Nós jamais vamos resolver o problema de deslocamento e trânsito das pessoas por ferrovia ou por ônibus, por rodovia”, afirmou.

aeroporto__chaapeco
Aeroporto de Chapecó (SC) será um dos beneficiados Foto: divulgação

Os recursos serão aplicados em melhorias físicas como reforma e ampliação de terminais e na aquisição de equipamentos e sinalização. Os aeroportos estão localizados nos municípios de Jataí (GO), Araguaína (TO), Dourados, (MS), Cáceres (MT), Sinop (MT), Tangará da Serra (MT), Itaperuna (RJ), Resende (RJ), Angra dos Reis (RJ), Chapecó (SC) e São Carlos (SP).

Após defender que o objetivo ideal, ainda distante da realidade, seria o de um aeroporto a cada 100 quilômetros, Moreira Franco defendeu que o Brasil está entrando em um “círculo virtuoso”, com a melhoria dos índices econômicos. “Houve uma crise muito profunda na economia brasileira, e isso fez com que caísse a demanda brutalmente. Mas ela vem se recuperando, porque na medida em que as pessoas melhoram sua renda, têm segurança do seu emprego, elas começam a se movimentar. E a maneira dessa movimentação é aérea. Por isso estamos fazendo essas obras para melhorar a acessibilidade e, com o tempo, integrar o Brasil inteiro numa infraestrutura aeroportuária adequada e barata”, disse.

Investimentos

Ao explicar os projetos, o secretário nacional de Aviação Civil, Dario Rais Lopes, informou que 177 aeródromos regionais foram selecionados nos últimos anos para receber algum tipo de serviço por parte da União. “Fizemos uma priorização em função do impacto que a obra vai ter em termos de área de influência. Do interesse em operação, ou seja, estamos fazendo obra onde a iniciativa privada quer prestar serviço. Garantimos já que o dinheiro público vai ser transformado em serviço através da iniciativa privada. E principalmente pelas condições de sustentabilidade do local”, explicou.

Desde 2013, sete aeroportos foram modernizados, com investimentos que, no total, chegam a R$ 800 milhões. “Na etapa de hoje, serão mais 11 aeroportos, desde Chapecó, no Sul, até Araguaína, no norte do Tocantins, estamos começando a cobrir com obras todo território nacional”, disse o secretário.

Dentre as obras previstas, estão a reforma e construção de terminais de passageiros, a iluminação de pistas, sinalização, complementação de pátios das aeronaves, estacionamento e a elaboração dos projetos-executivos. Os empreendimentos terão prazo de implementação de pouco mais de um ano, em média. Os valores que serão investidos variam de aeroporto para aeroporto, sendo os maiores para Araguaína (R$ 49 milhões), Jataí (R$ 45 milhões) e Dourados (R$ 49 milhões), sendo este último o que vai durar mais tempo para conclusão: 985 dias.

O evento contou com a presença dos ministros dos Transportes, Maurício Quintella Lessa, da Secretaria de Governo, Carlos Marun. Além de prefeitos, deputados e senadores das bancadas estaduais, participaram também o governador de Mato Grosso, Pedro Taques, e de Goiás, Marconi Perillo.

Governo promete R$ 200 milhões para o Rio e a criação de calendário turístico


Três medidas. Foi o que anunciou o secretário geral da Presidência da República, Moreira Franco, na manhã do dia 24/09, durante a coletiva de lançamento do programa “Rio de Janeiro a Janeiro”, que terá início no Réveillon 2017/2018, com um investimento de R$ 200 milhões. Entre as novidades está a criação de um calendário de eventos da cidade.

“ O Rio de Janeiro é um local amado, querido, ambicionado por todos os brasileiros. Por isso, o Rio é a porta de entrada, sobretudo, por sua capacidade de conviver com uma comunidade plural. Por isso, o Governo Federal mobilizou todo o esforço para ter, a partir de agora, um movimento que visa cumprir alguns objetivos. O primeiro deles é restabelecer um ambiente de segurança e de confiança. Começar a passar para todos que aqui vão encontrar um ambiente pacífico – disse o Franco, que complementou:

“ Vamos dar a virada nessa situação constrangedora que o cidadão vive. Ontem tivemos felizmente uma manifestação clara que não há disposição do governo federal, municipal e estadual de conviver com esse tipo de afronta. Vamos buscar uma intervenção. Definição de segurança para mudar as coisas como estão. Não queremos uma invasão imediata. Queremos construir uma base de segurança no rio. Ela não vai durar um governo. Não tem um prazo. O prazo é necessário para que essa integração cumpra o seu objetivo que é reduzir o crime organizado e sua prepotência e estabelecer controle de armas letais que penetraram no estado”.

riodejaneiroajaneiro
Governo promete R$200 milhões para o Rio de Janeiro Fotos: Verônica Rainer

Sérgio Etchegoyen, ministro-chefe do Gabinete da Segurança institucional da Presidência da República, disse que o esforço da segurança no Rio vai até o fim do ano que vem.

— Estamos no segundo mês (da atuação das Forças Armadas no Rio). É um esforço que vai até o final do ano que vem. É até quando o atual governo pode planejar. Sigo com firmeza nesse esforço. Há solução para o Rio de Janeiro. A solução começa aqui.

Idealizado por empresários do setor de entretenimento, o calendário “Rio de Janeiro a Janeiro”, que começa a partir do Revéillon 2017/2018, será formado por eventos estratégicos nos segmentos de cultura, esporte, turismo e negócios. com objetivo de impactar positivamente na atração de turistas e de investimentos na cidade, com um investimento de R$ 200 milhões. Moreira Franco falou ainda sobre a capacidade do carioca de superar suas dificuldades:

— Temos a capacidade se superar as nossas dificuldades. Não temos medo e temos energia para superar o que é desagradável. Precisamos de uma logística de recuperação dos jovens nas áreas carentes. Eles precisam de auto-estima para acreditar que podem construir um mundo melhor. Por isso, chamamos a FGV para fazer a avaliação dos eventos e vamos ver qual será a capacidade de atrair novos turistas e buscar patrocínios. Precisamos gerar emprego e renda.

Ele afirmou, no entanto, que está conversando com setores de turismo e da aviação para evitar a prática de cobranças abusivas por esses setores, uma vez que o objetivo é atrair turistas e mais investimentos para a cidade:

— Eu tenho certeza que tanto o setor hoteleiro, quanto as companhias aéreas, terão a inteligência para praticar os preços adequados e não cobrar diárias e passagens exorbitantes.

Ministro da Cultura, Sérgio Sá Foto: divulgação
Ministro da Cultura, Sérgio Sá Foto: divulgação

Já o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, destacou os cinco critérios que nortearam o estudo feito pela FGV para avaliar a agenda com cem qie serão realizados no Rio em 2018: o impacto na atrações turísticas, impacto na geração de renda e emprego, impacto em novos investimentos , impacto na inclusão social e a possibilidade de sustentabilidade e expansão deste eventos.

— Vamos abrir agora, entre 16 de novembro e 15 de dezembro, um processo de seleção para que outros eventos se juntem ao Rio de Janeiro a Janeiro e recebam a chancela do programa. Essa inscrição poderá ser feita pelo site do Ministério da Cultura. A FGV vai fazer esse mesmo estudo do potencial e teremos em janeiro o anúncio dessa nova leva de eventos que serão incorporados ao calendário — explicou o ministro, que completou:

— Esperamos que esse calendário continue em 2019 e nos anos seguintes.

Em um rápido discurso, o prefeito Marcelo Crivella iniciou a sua fala dizendo que havia comentado com o presidente do Rock In Rio que Deus havia os ajudado a fazer que o festival fosse um sucesso.

— Queria que tivesse uma olimpíada por mês na cidade. Porque os eventos do Brasil trazem mais segurança para a nossa cidade. Agora, esses eventos são nacionais. E a segurança passa a ser uma rendibilidade de todos – disse Crivella, que agradeceu ao ministro Moreira Franco por ter recebido o calendário formulado pelo grupo encabeçado pelo empresário Roberto Medina.

Trabalho para capacitar jovens carentes

O ministro de Desenvolvimento Social, Osmar Terra, afirmou que a pasta terá uma ação básica complementar na garantia da segurança, que é a inclusão social de milhares de jovens que vivem como reféns da violência. O objetivo, segundo ele, é capacitar esses jovens para que possam trabalhar na área hoteleira e de eventos.

— Hoje a juventude, em alguns lugares da cidade, está quase prisioneira, tem medo de sair de casa em detemrinadas favelas, de ser atacada pela facção. Os jovens quase não saem do lugar em que vivem, não tem outra inspiração, outra vida cultural. A ideia é buscar esse jovem com ações na área da educação, do esporte, da capacitação/qualificação profissional. Mostrar que tem todo um mundo possível para eles — disse.