E aí? Já reciclou seu lixo hoje?


tres R 1 br

Somos o terceiro país no mundo que mais gera lixo (Estados Unidos estão em primeiro lugar, seguidos da China). Estatísticas falam em 220 milhões de toneladas/dia, em torno de 1,2 quilo diário por pessoa. E os estudos mostram que só 58,% do lixo recolhido têm destinação adequada; 41,7% vão para 1.569 lixões e “aterros controlados” em 3.344 municípios. São Paulo gera 18 mil toneladas diárias de resíduos.

O que fazer com o lixo produzido diariamente nas cidades? Esse continua sendo um dos grandes desafios da humanidade. Uma saída inteligente é investir na reciclagem, que pode gerar renda e empregos além de uma melhor qualidade de vida para população.

Reciclar é transformar objetos e materiais usados em novos produtos para o consumo. Esta necessidade  foi despertada pelos seres humanos, a partir do momento em que se verificou os benefícios que este procedimento trás para o planeta Terra.

cores-da-reciclagem6

No processo de reciclagem, os materiais mais recuperados são o vidro, o alumínio, o papel e o plástico. Esta ação contribui para a redução significativa da poluição do solo, da água e do ar. Muitas indústrias estão reciclando materiais como uma forma de reduzir os custos de produção.

Um outro benefício da reciclagem é a quantidade de empregos que ela tem gerado nas grandes cidades. Muitos desempregados estão buscando trabalho neste setor e conseguindo renda para manterem suas famílias. Cooperativas de catadores de papel e alumínio já são uma boa realidade nos centros urbanos do Brasil.

O alumínio, por exemplo, pode ser reciclado com um nível de reaproveitamento de quase 100%. Derretido, ele retorna para as linhas de produção das indústrias de embalagens, reduzindo os custos para as empresas. De acordo com informações da  Associação Brasileira do Alumínio – ABAL e a Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade – ABRALATAS, reciclamos 289,5 mil toneladas de latas de alumínio para bebidas, das 294,2 mil toneladas disponíveis no mercado em 2014, crescimento de 12,5% em relação ao ano anterior. Com isso, o índice de reciclagem de latas de alumínio para bebidas atingiu 98,4%, mantendo o Brasil na liderança mundial desde 2001. Segundo dados das duas entidades, foram recicladas no ano passado 22,9 bilhões de embalagens, o que corresponde a 62,7 milhões/dia, ou 2,6 milhões/hora.reciclagem (1)

Muitas campanhas educativas têm despertado a atenção para o problema do lixo nas grandes cidades. Cada vez mais, os centros urbanos, com grande crescimento populacional, tem encontrado dificuldades em conseguir locais para instalarem depósitos de lixo. Portanto, a reciclagem é uma solução viável economicamente, além de ser ambientalmente correta. Nas escolas, muitos alunos são orientados pelos professores a separarem o lixo em suas residências. Outro dado interessante é que já é comum nos grandes condomínios a reciclagem do lixo.

Cachoeira: um rio que pede socorro


Ele se forma no Município de Itapé, na confluência do Rio Colônia com o Rio Salgado. Se você acha que estou me referindo ao Rio Cachoeira, acertou! Esse curso de água é um dos mais importantes do Sul da Bahia, pois abastece a 12 cidades. Entretanto, sofre com o descaso de nossos governantes e com os maus tratos por parte de empresas e população.

Geógrafa Eliana Trindade avalia condições do Rio Cachoeira Foto: Eliane Trindade
Geógrafa Eliana Trindade avalia condições do Rio Cachoeira Fotos: Eliana Trindade

 

Segundo os especialistas, o Cachoeira sempre foi rico em diversidade de peixes, com destaque para robalos e pitú (um crustáceo raro que existe apenas em alguns rios do Brasil). Infelizmente, o panorama atual é outro. Em seu estudo a biogeoquímica, Maria Pinheiro Lima, alerta que as atividades ligadas ao manejo florestal e agrícola e a urbanização alteram os ciclos biogeoquímicos dos ecossistemas aquáticos. A especialista afirma que as principais atividades impactantes no Rio Cachoeira estão associadas às atividades agro-industriais e ao lançamento de esgotos domésticos e resíduos sólidos.

A geógrafa, Eliana Trindade, também lamenta a atual situação do Cachoeira. “Serviços de lavagem de veículos, construções nas margens do rio, ausência de mata ciliar, extração de areia, lançamento de lixo e esgoto in natura e outras ações ao longo dos anos são provas da desinformação e do descaso por parte da população e das autoridades locais com o rio”, justifica a também professora.

A especialista defende que o rio é um espelho de como a população cuida do meio ambiente. “O Cachoeira já foi caudaloso e limpo, servindo como fonte de renda e lazer para os habitantes do seu entorno. Hoje, após tantos maus tratos, ele teve o seu volume diminuído consideravelmente e está a cada dia mais poluído. As baronesas e os urubus presentes em suas  águas são evidências concretas de que a população itapeense e circunvizinha precisam de educação ambiental”, finaliza Eliana.