Bebê que foi capa do disco ‘Nevermind’ processa Nirvana por exploração sexual


Spencer Elden está pedindo uma indenização de US$ 150 mil

Thais Paim

Spencer Elden, que apareceu aos 4 meses de idade na capa do disco “Nevermind”, do Nirvana, está processando a banda e afirma que foi explorado sexualmente quando ainda era criança. A notícia tem provocado uma grande polêmica entre os fãs.  

O jornal “The Guardian”, afirmou que o processo aberto na Califórnia, nos EUA, cita diversas partes e conta com 15 réus, incluindo membros da banda, Courtney Love – viúva de Kurt Cobain -, e a gravadora que lançou e distribuiu o disco nas últimas três décadas. O álbum foi lançado em 1991.

Spencer Elden, que atualmente tem 30 anos, pede uma indenização de US$ 150 mil (cerca de R$ 787 mil) de cada uma das partes e quer que seu caso seja analisado por um júri.

Sobre o caso 

Os advogados de defesa alegam que houve “exploração sexual infantil comercial, desde quando Elden era menor de idade até os dias atuais”. Ainda segundo eles, a imagem fez com que Elden se assemelhasse a “um trabalhador do sexo – agarrando-se por uma nota de um dólar”.

No processo, Elden alega produção de pornografia infantil com sua imagem, que o mostra nadando nu em direção a uma nota de um dólar. Segundo ele, sofreu danos permanentes com a capa, incluindo “sofrimento emocional extremo e permanente com manifestações físicas”.

O processo cita também que Elden nunca foi pago para aparecer na capa e que seus pais não assinaram uma autorização de direito de imagem. 

História da foto

“Nevermind” foi lançado em 24 de setembro de 1991 após diversos ensaios para definir quem seria o bebê da foto. Apesar de Elden ter sido o escolhido, tinha mais meninas nos testes — e o pai do eleito era amigo do fotógrafo.

A foto foi feita especialmente para a capa. Informações prévias davam conta de que os pais de Elden receberam US$ 250 na época para o ensaio exclusivo.

           

De novo na piscina

Em 2008, o site da MTV norte-americana divulgou uma foto de Spencer Elden, então com 17 anos, repetindo a imagem da capa. Elden voltou a mergulhar em uma piscina atrás de uma nota de um dólar, mas, desta vez, usando um calção de banho.

Na época, Elden disse que “era estranho pensar que tanta gente já me viu pelado – me sinto como a maior estrela pornô do mundo”.

Fonte: G1 

Diretor relembra ‘treta’ com Martin Scorsese e filmes de herói


Polêmica tem ocorrido através das redes sociais 

Thais Paim

Martin Scorsese causou burburinho no meio cinematográfico ao criticar o sistema de filmes de super-heróis, principalmente os feitos pela Marvel Studios, e isso gerou uma repercussão no meio.  Com isso, o consagrado diretor americano foi citado pelo cineasta James Gunn no Twitter para expandir a conversa e comentar sobre o único ponto que discorda do diretor:

“Para registro, Martin Scorsese é provavelmente o maior cineasta norte-americano vivo. Eu amo e estudo seus filmes e continuarei amando e estudando seus filmes. Eu discordo dele solenemente em um ponto: Que filmes inspirados em quadrinhos não são cinema, é isso“, opinou Gunn.

Início da polêmica 

Em entrevista ao Podcast Happy Sad Confused, a discussão sobre Scorsese veio à tona, foi quando Gunn afirmou: “Eu acho que é infelizmente cínico que ele tenha ficado atacando a Marvel, e que isso tenha sido a única coisa que deu cobertura de imprensa para o filme dele. Ele está criando o filme dele na sombra dos filmes da Marvel, então usa isso para conseguir atenção para algo que não estava rendendo tanta atenção quanto ele gostaria“. 

Mas o diretor se atentou a elogiar o trabalho de Scorsese: “Um dos maiores cineastas que já existiu“, e finalizou todo o debate caloroso dizendo que não levou o que Scorsese falou para o pessoal. 

Segundo o diretor de Guardiões da Galáxia, “Muito do que ele disse foi bom, e além disso… ele não viu os meus filmes. Ele não sabe como são os meus filmes“. 

Vale lembrar que Scorsese causou ‘frisson’ quando no final de 2019 – em uma das coletivas do seu ultimo filme, o elogiado O Irlandês, declarou que a Marvel não faz cinema. Um tempo depois da criticada afirmação o cineasta de clássicos como “Taxi Driver” e “Os Bons Companheiros” elaborou sua opinião em um extenso artigo para o New York Times.

Nesse artigo ele defendeu a opinião que os filmes da Marvel estão dominando todas as salas de cinema com sua forma de consumo e produção desenfreado, enfraquecendo o sistema de autores que querem produzir trabalhos originais para a sétima arte.

Fonte: SiriNerd 

New York Times publica artigo sobre polêmica relação de Bolsonaro com militares


Texto foi publicado em espanhol

Thais Paim

Desde o começo do seu mandato, a relação estreita entre o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) e as Forças Armadas provoca grande críticas e repercussão. Recentemente, esse tema atingiu o debate internacional.

Em um artigo publicado no jornal The New York Times, no final de agosto, o cientista político e diretor-executivo do Observatório Político da América Latina e do Caribe no Sciences Po, em Paris, Gaspard Estrada, afirma que Bolsonaro estimula uma “ruptura institucional na segunda maior democracia do continente americano” e que “os escalões superiores das Forças Armadas têm tido papel central nesse objetivo”.

O texto foi publicado em espanhol com o título “O dilema dos militares brasileiros: apoiar Bolsonaro ou a democracia”. Nele, Estrada compara o presidente brasileiro a Donald Trump e diz que a única diferença entre eles, no esforço de enfraquecer instituições democráticas, é o apoio dos militares.

 “Muitas vezes respaldam o ataque autoritário do capitão reformado”, cita o cientista, como os ataques do chefe do Executivo ao sistema eleitoral um ano antes das eleições e que tem ganhado força nos últimos dias.

Para Estrada, a ação é incompatível com o papel das Forças Armadas e que é preciso observar que o futuro do país também está nas mãos dos homens que juraram servir o país.

Ele lembra, ainda, da nota assinada pelo ministro da Defesa, Braga Netto, divulgada no início do mês, em repúdio às declarações do presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), que afirmou que durante muitos anos o país “não via membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo”.

Na ocasião, Braga Netto afirmou que os militares não aceitariam “qualquer ataque leviano às instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro”. Sobre o assunto, o cientista político afirmou que a ação foi uma maneira de exigir a impunidade dos colegas e apoiar, novamente, os “desejos golpistas de Bolsonaro”.

Para o cientista, apoiar “cegamente um governo que realiza um dos processos mais extremos de destruição da democracia no mundo” fará com que as patentes militares estejam, historicamente, associadas à Bolsonaro.

Estrada, então, afirma que só há um caminho para que as instituições militares recuperem a plena integridade: o rompimento com o presidente da República. “Se as Forças Armadas querem manter a adesão às leis e à Constituição, devem decidir se estão com Bolsonaro ou com a democracia”.

Fonte: Correio Braziliense

Karol Conká de “Super Bonita” a insuportável do BBB21


Rapper cria inúmeras polêmicas e ganha destaque negativo dentro e fora do reality

Marcelo Carvalho

E mais uma edição do Big Brother Brasil tem início. A TV Globo não mediu esforços para reunir um grupo de peso, misturando gente famosa, influenciadores de destaque e, é claro, anônimos. Vou ser bem franco com você: acho esses reality shows um saco. Se você curte, pelo amor de Deus não me leve a mal. Mas, sinceramente não me identifico mesmo com esse tipo de programa.

Mas não estou aqui para falar do BBB em si, mas sim sobre o que acontece com alguns dos seus participantes. Tem uma galerinha que no afã de conquistar o prêmio máximo ou ganhar notoriedade, acaba errando a mão. Quer um exemplo? Théo Becker, Mara Maravilha e por último, a mais recente: Luíza Ambiel. Lembra?

A “protagonista” da vez, ao que parece é a apresentadora, rapper, atriz, produtora, compositora e barraqueira, Karol Conká. A moça tem aprontado horrores dentro da casa mais vigiada do Brasil. Tudo com direito a muita arrogância, prepotência, grosseria, antipatia, falta de educação e pitadas bem generosas de desrespeito com outros participantes.

Tudo bem, sabemos que aquilo é uma disputa. Cada um tem sua estratégia para atingir seus objetivos. É lobo comendo lobo. E como diz Jojo Todynho: “Não estou na Disney”. Mas a pergunta é: “a que ponto vale a pena se expor dessa maneira”? Principalmente, se você depende do público para sobreviver.

Comportamento tóxico

A Karol, por exemplo, está recebendo pedradas de todos os lados. Sua participação é considerada uma das mais tóxicas de todas as edições. Entretanto, ela afirma que não tem medo de cancelamento.

Mas, será que ela tem consciência do que isso pode causar a sua carreira e ao seu emocional a longo prazo? Às vezes, tenho a impressão que ela está meio que querendo imitar o estilo Jojo (vencedora da Fazenda).

Porém, se essa for mesmo a sua intenção, não está dando muito certo. E já que citamos a Jojo, vale destacar que a mesma é uma das maiores críticas do comportamento da “mamancita” dentro da casa, chegando inclusive a deixar de segui-la nas redes sociais.

Contudo, a outro aspecto que chama a atenção. Ao que parece, os outros participantes da casa não se incomodam com os rompantes da Conká.

Com exceção da Julliette, a primeira a ser perseguida pela rapper e o ator Lucas Penteado, maior alvo da cantora. Não estou afirmando que ambos são santinhos, mas com certeza não mereciam uma reação tão dura, para não dizer cruel como é possível presenciar nos episódios do programa.

Karol Conká e Lucas Penteado, convívio tóxico. Foto: reprodução da internet

Uma coisa é certa. A vida de Karol Conká não será a mesma após a edição deste BBB. E, se ela não revir suas atitudes e falas, poderá ter problemas ainda mais sérios do que já possui. Seja na esfera comercial, jurídica e pessoal.

Mas, e você? O que está achando desta edição do BBB21? E da participação da Karol Conka? Acha seu comportamento tóxico? Diz para gente!

Museu é acusado de pedofilia após interação de criança com homem nu em exposição


A participação de uma criança em uma performance protagonizada por um homem nu deu início a nova polêmica sobre a liberdade artística nas redes sociais, desde a noite desta quinta-feira. Fotos e vídeos registrados no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM) mostram uma menina, que aparenta ter em torno de cinco anos, tocando os pés de um artista nu que estava imóvel e deitado sobre o chão.

Em nota divulgada no Facebook, o MAM ressalta que a criança estava acompanhada da mãe e que a sala onde ocorria a performance estava “devidamente sinalizada sobre o teor da apresentação, incluindo a nudez artística”. O museu também garante que o trabalho, entitulado “La Bête”, não tem qualquer conteúdo erótico.

A apresentação ocorreu na abertura da “Mostra Panorama da Arte Brasileira”, realizada na última terça-feira. Trata-se de uma leitura interpretativa da obra “Bicho”, de Lygia Clark, segundo o MAM. O coreógrafo Wagner Schwartz se posiciona nu sobre um tatame, manipulando um origami de papel, de forma a sugerir a interação. Em fotos de divulgação, participantes o abraçam, o mudam de posição e grande parte o filma.

nunomuseu
Homem nu em exposição causa polêmica               Foto: divulgação

Já as imagens da interação da menina com a apresentação foram divulgadas por fontes desconhecidas na internet. A criança parece mostrar curiosidade enquanto engatinha pelo tatame, vendo uma mulher adulta tocar os pés do artista. A mulher a incentiva a participar, a menina ri, toca rapidamente os dedos dos pés dele, e volta à plateia diante de sorrisos do público.

Críticas

As críticas, que se multiplicaram em publicações durante a madrugada, acusam o museu de “incentivo à pedofilia”. O teor dos comentários é o mesmo daqueles que levaram o Santander Cultural a encerrar a exposição “Queermuseu”, alvo de protesto ligado ao Movimento Brasil Livre (MBL) em Porto Alegre. O MAM não mostra qualquer intenção de cancelar a mostra ou a performance. “As referências à inadequação da situação são fora de contexto”, diz a nota do museu.

 

Entidades defendem no STF mudança de registro civil para transexuais


Duas entidades que lutam pelos direitos dos transexuais defenderam hoje (20) no Supremo Tribunal Federal (STF) a possibilidade de alteração do nome no registro civil sem a realização de cirurgia de mudança de sexo. O plenário da Corte iniciou o julgamento de um recurso contra decisão da Justiça do Rio Grande do Sul, que negou autorização para que um cartório local aceitasse a inclusão do nome social como verdadeira identificação civil. Os magistrados entenderam que deve prevalecer o princípio da veracidade nos registros públicos.

Ao subirem à tribuna do STF, os advogados da Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero e da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) afirmaram que o requisito para alteração é inconstitucional.

De acordo com o advogado Leonardo Almeida Lage, representante da Anis, a alteração do registro é uma necessidade essencial para a vida dos transexuais e está de acordo com o princípio da proteção constitucional da dignidade humana.

transexuais
Foto: divulgação

“As consequências para a vida dessa pessoa são absolutamente nefastas, incluindo o isolamento social, o sentimento profundo de solidão, e, em decorrência disso, depressão, ansiedade e diversos outros fenômenos relatados na literatura sobre o assunto”, disse.

Paulo Roberto Totti, represente da ABGLT, afirmou que condicionar mudança do registro à cirurgia fere a Constituição. O advogado destacou que há casos de transexuais que não desejam passar pelo procedimento.

“Condicionar o respeito, o direito à dignidade pessoal das pessoas trans – travestis, mulheres transexuais, homens trans – à cirurgia, inviabiliza o direito na prática. O STF tem que ter isso em mente”, afirmou.

Após as sustentações orais, o julgamento foi suspenso e não há data para ser retomado. Os ministros decidiram julgar em conjunto outra ação que está sob a relatoria do ministro Marco Aurélio e que trata do mesmo tema.

Recurso

Ao recorrer ao Supremo, a defesa do transexual requerente no processo alegou que a proibição de alteração do registro civil viola a Constituição, que garante a “promoção do bem de todos, sem preconceitos de sexo e quaisquer outras formas de discriminação”.

“Vislumbrar no transexual uma pessoa incapaz de decidir sobre a própria sexualidade somente porque não faz parte do grupo hegemônico de pessoas para as quais a genitália corresponde à exteriorização do gênero vai frontalmente contra o princípio de dignidade humana”, argumentou a defesa.

Nome social

Atualmente, transexuais podem adotar o nome social em identificações não oficiais, como crachás e formulários de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A administração pública federal também autoriza o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de travestis e transexuais desde abril do ano passado.

O nome social é escolhido por travestis e transexuais de acordo com o gênero com o qual se identificam, independentemente do nome que consta no registro de nascimento.

Michel Temer pode incluir salvaguardas a trabalhadores na terceirização


O presidente Michel Temer disse que poderá incluir na reforma trabalhista “salvaguardas” aos trabalhadores terceirizados. O governo sancionou na semana passada projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados que permite a terceirização nas empresas sem restrição, incluindo as atividades-fim, tanto no setor público quanto no privado. Temer participou nesta terça-feira (4) da abertura da Feira Internacional de Defesa e Segurança (Laad), no Riocentro. Segundo o presidente, o projeto recém-sancionado trata de flexibilização das regras de contratos temporários, e não apenas de terceirização.

“Eu achava que o projeto da terceirização era complicadíssimo. É de uma leveza e simplicidade extraordinárias. Aliás, ele não trata exatamente da terceirização. Ele trata do trabalho temporário e só lá no finzinho é que trata da terceirização. Nós vetamos um ou outro artigo, que na verdade prejudicava os trabalhadores. Mas eu vetei porque isso já está previsto na Constituição”, disse Temer.terceirização

O presidente afirmou que, se for identificado prejuízo à proteção ao trabalhador, o texto pode ser alterado.  “Se houver necessidade de salvaguarda, outras além daquelas que já estão no texto da lei, nós faremos. Temos a reforma trabalhista pela frente e acredito que, se surgirem coisas importantes, nós faremos. Pelo que eu pude verificar no exame do projeto, não vi necessidade. Se houver, e o Executivo se convencer, nós faremos. Não queremos prejuízo nenhum para o trabalhador”, frisou.

Indignação de educadores em audiência da MP do Ensino Médio


A Medida Provisória (MP) do Novo Ensino Médio sofreu resistência na primeira audiência pública na Comissão de Educação na Câmara dos Deputados. Entidades da sociedade civil presentes pediram a rejeição da MP, tanto pela falta de discussão quanto pelo conteúdo.

Entre os pontos mais polêmicos estão a falta de formação de professores para se adequar à nova estrutura e a incapcidade das redes de ensino, sem recursos adicionais, oferecerem várias opções a seus estudantes, o que poderá restringir a formação a algumas opções técnicas. Além da possível retirada da obrigatoriedade das disciplinas de artes, sociologia, filosofia e educação física.

Apresentada pelo presidente Michel Temer no último dia 22, a MP do ensino médio flexibiliza os currículos e amplia progressivamente a jornada escolar. A reformulação da etapa já estava em discussão na Casa, no Projeto de Lei 6480/2013, e agora volta em formato de MP, com o prazo de 120 dias para ser votada.

A previsão é que a comissão mista que ficará encarregada de emitir parecer sobre a medida seja criada amanhã. Ao todo, a MP recebeu 568 emendas, que foram consolidadas em 566.

Presentes na audiência, professores e sindicalistas interromperam diversas vezes os discursos de representantes do Ministério da Educação e dos secretários estaduais de educação. “É mentira”, “Professores não foram ouvidos”, “Não há nenhum professor ou estudante na mesa” foram alguns dos gritos. As interrupções foram pontuais e não impediram o prosseguimento da audiência.

“Estamos perplexos ao receber uma MP para tratar desse tema. E a perplexidade é tanto quanto ao método de apresentação quanto no conteúdo, por isso as pessoas lá atrás estão muito inquietas”, diz a secretária-geral da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Marta Vanelli. A CNTE foi uma das entidades que pediu a rejeição da MP.

1048611-041016pzzb000654
Foto: Fabio Pozzebom

Também contrário à MP, o coordenador-geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, apresentou dados de pesquisas de opinião dos estudantes que apontam que os alunos querem no ensino médio justamente os conteúdos que a MP retira, como artes e educação física. Cara ressaltou ainda que a MP não prevê recursos sufientes para a ampliação da jornada.

“Em meio à crise econômica e arrecadatória, isso acaba sendo um problema que cria expectativa que não pode cumprir. A MP altera a lei do Fundeb [Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação], concentrando recursos para estados e redes estaduais, prejudicando o ensino infantil e fundamental, o orçamento dos municípios”, acrescenta.

O deputado Danilo Cabral (PSB-PE) chegou a citar a proposta de emenda à Constituição (PEC 241/16), que limita o crescimento do gasto público à inflação. “A MP [do ensino médio] diz que a União vai transferir recursos para estados em até quatro anos. Até quatro anos é o que? Pode ser um? E depois? A PEC 241 vai colocar uma trava. Como conciliar colocar um teto de gasto e o Plano Nacional de Educação?”, diz.

Novo Ensino Médio

De acordo com a medida provisória, cerca de 1,2 mil horas, metade do tempo total do ensino médio, serão destinadas ao conteúdo obrigatório definido pela Base Nacional. No restante da formação, os alunos poderão escolher entre cinco trajetórias: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas – modelo usado também na divisão das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) – e formação técnica e profissional.

A medida também amplia gradualmente a carga horária do ensino médio para 7h por dia ou 1,4 mil horas por ano.

Urgência

A secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães, defendeu a urgência de uma reforma como justificativa para a edição de uma MP e ressaltou que a questão é discutida há anos. “A ideia de MP foi no sentido de coroar o processo de debate intenso que há muito se arrasta no Brasil”. Ela destacou também a importância de aprimorar a MP com o debate no Congresso.

Maria Helena diz que as disciplinas não foram excluídas e sim que a MP transferiu para a Base Nacional Comum Curricular – que está atualmente em discussão – o que deverá ser ensinado nas escolas. De acordo com o MEC, não há sinalização que os conteúdos deixarão de fazer parte do ensino médio ou que serão retirados da Base, que definirá também as diretrizes da formação dos professores.

Mais cedo, em coletiva de imprensa, Maria Helena ressaltou que a MP só será colocada em prática a partir de 2018, que isso só ocorrerá após a aprovação da Base.

Fonte: Agência Brasil

Patricia Abravanel fala demais e se complica


Patricia Abravanel, filha de Silvio Santos, voltou a causar e falar besteira. Outro dia, ela disse que não é normal ter relações homoafetivas. Foi detonada nas redes sociais e chamada de preconceituosa.

montagem-diva---patricia-abravanel-como-apresentadora-do-programa-silvio-santos-1438618309542_615x300

Agora criticou africanos e está novamente sendo massacrada.

Ela disse:

“Em países muito místicos, o povo deixa de trabalhar porque fica tão místico, que deixa de fazer as coisas certas para poder chegar num objetivo.

Em países mais racionais, que têm uma fé em Deus, mas que acredita no esforço, no suor, no trabalho, no você ‘se portar’, ter um casamento e ter que cuidar dele, esses países vão mais pra frente.

Então, um exemplo: a África é muito mística, e a gente vê as consequências, e os EUA é mais racional, protestante, onde acredita no suor. Então, eu acho que a gente tem que avaliar nossa crença através dos frutos que elas nos trazem”.

Alguém precisa ajudar essa moça, caso contrário ela vai ganhar um índice de rejeição tão grande que vai ser difícil continuar como apresentadora de TV.

Por sorte, o SBT, emissora que Patty trabalha, é do pai dela

Fonte: Fabiola Reipert

Mara não vê problemas em ter filho gay


Depois da polêmica com os gays, durante uma entrevista em 2013, a cantora Mara Maravilha agora diz não ver problemas caso seu filho seja gay. Ao site Ego, ela contou que o que importa é o caráter.

“Quando a gente ama, a gente ama. Hoje o ser humano tendo saúde, já é uma grande graça de Deus. O problema do ser humano é no caráter. Eu tenho amigos que são gays e que têm um supercaráter, mas tem outros que não têm. O problema não é ser gay ou não, é ter ou não caráter. Aceito toda escolha do meu filho, só não aceito mau-caratismo”, disse.

Sobre a declaração polêmica do passado – onde chegou a criticar o beijo que a cantora Daniela Mercury deu em Malu Verçosa durante a Parada Gay de São Paulo -, Mara afirmou terem distorcido suas palavras, mas manteve sua posição.

“Eu continuo com a mesma opinião. Não acho que seja bacana um casal que seja heterossexual ou homossexual ficar se agarrando em público. Se o que falei foi deturpado, fizeram furdunço… me entenderam mal. Todo bibinha é mara. Eu sou arco-íris, sou supercolorida”, completa.

mara
Mara “o importante é ter caráter”                                Foto: Divulgação