Prefeitura de Maceió anuncia que orla permanecerá aberta no Réveillon


A Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social (Semscs) será responsável pela fiscalização 

Thais Paim

Recentemente algumas capitais do país anunciaram que as orlas teriam os seus acessos fechados durante a virada do ano, a fim de evitar aglomerações. Seguindo uma posição diferente, a Prefeitura de Maceió informou que, até o momento, a orla permanecerá aberta na noite de Réveilon. 

Ainda segundo a gestão, existirão algumas restrições e a Secretaria Municipal de Segurança Comunitária e Convívio Social (Semscs) fará a fiscalização por todo o espaço público para evitar aglomerações.

A informação é de que fiscais de postura e guardas municipais vão realizar o ordenamento na orla, garantindo que as restrições sejam cumpridas. Apesar de o espaço ficar aberto, a Prefeitura restringiu algumas atividades, como o aluguel de cadeiras e mesas. 

Além disso, também está proibida a instalação de tendas por parte da população e dos ambulantes, sob pena de apreensão no momento da constatação da irregularidade. As medidas foram adotadas devido ao aumento de casos do novo coronavírus em Alagoas, principalmente nas últimas semanas. 

A Semscs afirmou que a atuação de fiscalização durante o Réveillon terá foco principal no exercício de atividades econômicas desenvolvidas na área pública por permissionários e ambulantes, uma vez que não haverá queima de fogos. As informações foram confirmadas através de nota emitida pelo órgão. 

Rio de Janeiro e bloqueio da orla 

Como exemplo de capital que acabou escolhendo medidas mais restritivas, está a Prefeitura do Rio de Janeiro que vai bloquear toda a orla da cidade na noite do Réveillon, de quinta-feira (31) para sexta (1º). A intenção é evitar aglomerações. 

A medida na verdade não surpreende muito, já que estende a decisão que já estava prevista para Copacabana, onde, anualmente, acontece a tradicional queima de fogos da cidade, e, agora, vale, também, para as praias da Zona Sul (a partir do Flamengo) até o Recreio. 

Réveillon cancelado no Rio de Janeiro


Medida foi tomada pensando na segurança de todos e no respeito a todas as vítimas

André Lucas

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou na última terça feira dia 15, que não vai ter réveillon na cidade do Rio de Janeiro por conta do Covid 19. A prefeitura explica que decisão foi tomada pensando na segurança de todos e no respeito a todas as vitimas.   

O prefeito Marcelo Crivella, em entrevista ao UOL, falou sobre o assunto.  “Esta é uma decisão necessária para a proteção de todos. A festa será a da esperança por bons resultados das vacinas para conter a pandemia. Será ainda um momento de reflexão sobre um ano difícil, de luta, com lamentáveis perdas de tantas pessoas.”  

Antes a tradicional festa da virada estava marcada com grandes mudanças. Não teria queima de fogos e nem encontro na praia. A expectativa da prefeitura era transmitir o Réveillon pelas mídias digitais e TV, fugindo das festas de virada do ano que provocam aglomerações em toda a cidade.  Mudanças que ocorreram em outubro tinham construído mudanças significativas ao criar um padrão de festa sem aglomerações, bem diferente do que o tradicional, preservando a segurança. 

As boas-vindas ao ano de 2021 aconteceriam em um formato diferente do tradicional conhecido por cariocas e turistas. No Réveillon Rio 2021 tremíamos seis palcos espalhados em pontos turísticos emblemáticos da cidade do Rio de Janeiro, porém, sem presença de público, com todas as áreas isoladas. O público poderiam acompanhar os shows pela televisão, por um canal aberto, e pelas plataformas digitais, por meio do canal oficial da Riotur no Youtube.

Além dos shows, este réveillon teria luzes e efeitos visuais inéditos no Brasil, além de uma surpresa emocionante, que só seria conhecida na noite da virada e todos poderiam ver de suas casas, pela televisão e pela Internet. Este novo modelo tinha o objetivo de criar uma atmosfera de respeito, com homenagens às vítimas da Covid-19 e também aos profissionais que estão na linha de frente do combate à pandemia. Além disso, a celebração incluía pela primeira vez, uma integração entre diversos pontos de referência turística do estado do Rio no réveillon carioca.

Os números da doença agravam, já são. 22.256 óbitos e 343.995 casos, UTIs lotadas em quase 90%, informações divulgada pela coordenação da secretaria de saúde do estado do rio de janeiro. Especialista  da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o aumento de casos no estado “já está provocando grande estresse no sistema de assistência à saúde”. Segundo o documento, é “urgente que as autoridades governamentais implementem ações para o enfrentamento desse novo aumento de casos de covid-19”, incluindo o fechamento das praias e  proibição de eventos presenciais.           

O Prefeito de Niterói Rodrigo Neves seguiu o exemplo de Crivella e cancelou as festas de fim de ano também , em nota a prefeitura explica. “Medida tem como objetivo manter o controle da pandemia da Covid-19 e vale para casas de festa, bares, clubes, restaurantes e comemorações com venda de ingresso, além das festas nas praias do município.”

O prefeito se pronunciou em uma live dizendo: “Nossa orientação é que não haja nenhum tipo de evento de réveillon que não seja o das famílias, com pessoas que já estão convivendo. Nosso objetivo é salvar vidas, evitar a disseminação do novo coronavírus e manter as atividades econômicas abertas e funcionando”

Greve dos funcionários do BRT transforma o Rio em um caos


Por: André Lucas

 Os trabalhadores que precisam usar o BRT, para chegar ao trabalho tiveram dor de cabeça nessa segunda feira. O motivo foi a greve dos corredores da Trans oeste, Trans carioca e Trans olímpica do BRT Rio em forma de protesto ao parcelamento do 13 salário.

O sindicato dos empregadores tenta negociar com os rodoviários em busca de um acordo. Os empregadores explicam que caso o parcelamento não for feito o BRT corre risco de parar definitivamente. O consórcio informou que pagou 20% dos salários nessa segunda feira.

A Prefeitura do Rio informou que município estar se mobilizando em função da greve, e também para a chuva forte prevista para essa noite.

Uma assembleia especial com o sindicato da categoria estar marcado para essa quarta feira, dia 2 de dezembro, para decidir os requisitos de um acordo bilateral.

Já no fim da noite, a empresa BRT Rio, decidiu pagar os outros 30% Que faltava na primeira parcela nessa terça feira, dia 1 de dezembro, totalizando assim 50% como previsto em lei, a empresa divulgou uma nota explicando a decisão:

“A fim de evitar novos transtornos aos passageiros, como os registrados na noite desta segunda-feira, dia 30, o BRT Rio utilizará os recursos de compromissos futuros e pagará os 30% restante da primeira parcela do 13º salário nesta terça-feira, dia 1º de dezembro”.

No termo, a empresa diz que a greve foi instalada ilegalmente e que os motoristas atuaram de forma irresponsável, por terem paralisado o serviço de forma repentina. A BRT Rio também exige providências imediatas ao sindicato para regularizar a operação do sistema.

O presidente do sindicato  dos rodoviários, Sebastião José, afirmou:

“Estamos apenas aguardando que esse compromisso firmado pela empresa nos seja encaminhado por escrito. Assim que estivermos com o documento em mãos, a paralisação será encerrada”.

Com o BRT parado a prefeitura orientou a usar o metro, porém a concessionária Metrô Rio afirmou estar trabalhando no limite da sua capacidade funcional:

“A concessionária já opera no limite da capacidade e com os mesmos intervalos do período pré-pandemia. O MetrôRio ressalta que o serviço da concessionária segue sem problemas, com intervalos regulares nas linhas 1,2 e 4 nesta segunda-feira (30/11)”, dizia a nota da empresa”

Alguns usuários falaram sobre a situação do serviço no cenário de hoje:

“Eu moro em Pedra de Guaratiba e só Deus sabe o quanto que eu vou enfrentar agora”,

“Atrapalha bastante né. A gente conta com o ônibus para sair e chegar onde a gente precisa e quando chega aqui tem essa surpresa, que não está funcionando. E aí tem que pegar outro com um gasto muito maior”….

A notícia é boa com o pagamento dos 30% restante da primeira parcela feita pela manha da próxima terça feira, dia 1 de dezembro, o esperado é a volta da normalidade de circulação, e aqueles que precisam do transporte podem ficar aliviados.

Projeto de lei (RJ) pode obrigar clientes a se identificar com nome e CPF em motéis


Um projeto de lei que visa coibir a exploração sexual deve impor a identificação com nome e CPF para clientes de motéis no Rio. Encaminhado para Comissões municipais, o PL nº 427/2017, do vereador Jones Moura (PSD), cria a Política Pública de Combate ao Turismo Sexual e ao Abuso e à Exploração Sexual que prevê multa de R$ 500 mil e cassação de alvará para os estabelecimentos que descumprirem a obrigação de identificação.

De acordo com o PL, além dos motéis, todos os estabelecimentos hoteleiros passam a ser obrigados a identificar seus hóspedes e, ainda, armazenar os dados pelo prazo de cinco anos. Outro ponto será a obrigação de que os locais também apresentem os dados a fiscais ou autoridades policiais que o requiram. Os estabelecimentos que descumprirem essas determinações estarão sujeitos a multa de R$ 15 mil por ocorrência.

motel demy2

A proposta é que, a partir da aprovação, a Prefeitura do Rio passe a adotar uma série de medidas de combate ao turismo e exploração sexuais. Também estão previstas ações de apoio às vítimas, como levantamento quantitativo dos casos, com registro em um banco de dados, e realização de visitas domiciliares, para identificar e intervir na situação de pessoas submetidas à exploração sexual.