Projeto insere alunos da rede pública no mercado de trabalho formal


A Organização Internacional do Trabalho (OIT), em parceria com Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério da Economia, inauguram nesta quarta-feira (4) o projeto de Aprendizagem Profissional Inclusiva (API), que dará a alunos da rede pública do município goiano de Cristalina oportunidade de entrar no mercado forma de trabalho de uma forma diferenciada.

O programa, cujo objetivo é facilitar a entrada de estudantes no primeiro emprego, é focado em jovens em situação de vulnerabilidade social. O projeto visa combinar aquisição de experiência de trabalho com cursos oferecidos dentro do ambiente das empresas. Esses ambientes vão preparar os jovens aprendizes para a realidade competitiva do mercado.

A primeira turma de aprendizes é formada por 18 jovens de 15 a 21 anos, que receberão ofertas de carreiras técnicas nas empresas. “A etapa de Cristalina servirá como um projeto piloto. Esses jovens sabem que carregam uma responsabilidade. Se o programa der certo, será levado para outros municípios interessados.”

A Aprendizagem Profissional Inclusiva é financiada por termos de ajuste de conduta firmados pelo governo de Goiás e que agora são convertidos em obras sociais de benefício público. “Sem mudar nada da legislação, conseguimos fazer um módulo inclusivo que diminui a desigualdade das oportunidades de estudo. Mas é preciso [ter] apoio das empresas também, que devem aceitar construir um ambiente propício para receber esses futuros profissionais”, afirmou a coordenadora nacional do Programa de Princípios e Direitos Fundamentais do Trabalho da OIT, Maria Cláudia Falcão.

Concurso Itapé Minha Gente, Minha Cidade, Meu Lugar já tem vencedores


Estreitar o vínculo entre os estudantes e sua cidade, resgatando neles orgulho e amor pelo local. Este é um dos objetivos do Projeto Itapé Minha Gente, Minha Cidade, Meu Lugar, elaborado pelo professor e jornalista Marcelo Carvalho. A iniciativa contou com a participação de estudantes das turmas de Artes, da EJA e do 1º ano do Ensino Médio do noturno. Os trabalhos produzidos pelos educandos disputaram um concurso em duas categorias: Fotografia e Vídeo. “Através de passeios fotográficos, os alunos expressam seus sentimentos por Itapé, através de fotografias e vídeos” explica o educador.

A avaliação dos trabalhos produzidos ficou por conta do fotografo e Mestre em Artes, Paulo Batelli. Também fizeram parte da comissão julgadora o presidente do Conselho Municipal da Educação (CME Itapé), Sandro Lyra, a secretária da Educação, Luzinete Miranda, além dos professores Eliana Trindade, Álvaro Neto, Maria Raimunda Silva, Andrea Mendonça, Adriano Barreto, Adriana Araújo e Sidele Batista. “Através de passeios fotográficos, os alunos expressam seus sentimentos por Itapé, através de fotografias e vídeos” explica o educador.

WhatsApp Image 2017-11-30 at 14.49.35
Exposição reuniu estudantes e familiares no CCAMS

A culminância do projeto foi realizada na noite do dia 29 de novembro, no CCAMS. Todas as fotografias e vídeos feitos pelos alunos foram apresentadas em uma exposição. Entre as surpresas da noite, estava o documentário, elaborado por Maria Lavínia Silva. Estudante da Eja 1/2, Lavínia, contou a história do Distrito de Entroncamento onde reside com sua família. “Queria mostrar o lugar para as pessoas da forma como eu o vejo. Aqui é um lugar com problemas, mas também um lugar cheio de amor” garante. O primeiro colocado em fotografia, Daniel Reis nem acreditou quando ouviu seu nome ser anunciado. “Estou muito feliz… O projeto foi maravilhoso e que venha o próximo” comentou. (Foto da capa: Kalyana Santana)

Os premiados na noite foram:

Fotografia                                                                            Vídeo (The Best)

1º  Daniel Reis (1º ano do Ensino Médio)                           Josevânia Rosa (Eja 3)

2º  Taíze Santos (Eja 3)                                                       Documentário

3º  Luciene Fernandes (Eja 1/2)                                          Maria Lavínia Silva

 

UFRB lança SOS Abelhas


Problemas com abelhas? O projeto SOS Abelhas, uma iniciativa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), está oferecendo a moradores da zona urbana ou rural o serviço de captura de enxames nos municípios do Recôncavo sul. Com equipamentos e técnicas próprias para a atividade, a proposta é proteger as comunidades, bem como preservar as colmeias.

Segundo a professora Maria das Graças Vidal, coordenadora da iniciativa do Setor de Apicultura do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da UFRB, no município de Cruz das Almas (a 137 km de Salvador), a primavera e o verão são as principais estações de produção das colmeias.

Isto acontece nesta época, segundo a professora, por causa de maior disponibilidade de flores nativas e exóticas na região do Recôncavo baiano.

Floração

O pico da floração ocorre entre os meses de julho e outubro, fase também de reprodução das abelhas e do aparecimento de novos enxames.

Por vezes isso está sujeito a ocorrer em áreas urbanas e em locais muito próximos dos humanos, representando perigo de ataques com ferroadas.

“Sem experiência, muitas pessoas usam produtos impróprios para lidar com o surgimento de colmeias, como inseticidas e até fogo, visando espantar os insetos e, com isso, matam o enxame”, disse a coordenadora do projeto, salientando que a formação de novos enxames ocorre em decorrência do instinto reprodutor das abelhas.

Maria das Graças Vidal ressalta que é preciso ficar atento aos sinais que indicam a presença de enxames. “Grupos de abelhas voando indicam que há pelo menos um enxame nas proximidades, bem como abelhas entrando e saindo de pequenas aberturas em paredes, telhados, armários ou troncos de árvores”, ela ensina.

Ao confirmar a existência de um enxame, de acordo com a especialista, a população deve acionar serviço especializado.

Na região, além de espécies nativas encontradas em menor escala, a maioria dos enxames é formada por abelhas híbridas, resultado do cruzamento de europeias com africanas, que chegam a produzir até 20 kg de mel por safra, dependendo da disponibilidade de flores.

650x375_mel-abelhas_1471631

Serviço gratuito

As cidades atendidas pelo projeto são Cruz das Almas, Sapeaçu, Conceição do Almeida, Governador Mangabeira, Muritiba, São Félix e Cachoeira. Entretanto, desde que acionado previamente, para que a equipe planeje o deslocamento, o projeto também pode atender a outras localidades da região.

A equipe do SOS Abelha pode ser solicitada pelo fone 75 3621-3196, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, e das 14h às 17h, no Setor de Apicultura da UFRB.

Enxames alojados em locais de risco para a população são removidos e doados à universidade para que os estudantes e técnicos possam estudá-los e, desta forma, colaborar para a perpetuação das espécies, evitando a ação destruidora do homem.

Além de produzirem mel, própolis, geleia real e apitoxina (veneno usado no tratamento terapêutico), as abelhas são responsáveis pela produção de diversas culturas que necessitam da polinização para produção de frutos e sementes.

Itapé: Projeto Alimentação do Barulho mobiliza escolas


A iniciativa conscientiza estudantes sobre os benefícios da alimentação saudável

Uma refeição equilibrada traz diversos benefícios tanto para o corpo como para mente. Pensando nisso que a nutricionista responsável técnica da alimentação escolar, do Município de Itapé (BA), Telmara Benevídes, criou o Projeto Alimentação do Barulho, que tem como público alvo todos os estudantes da cidade.

A ação foi realizada pela Secretaria de Educação  através do Setor de Alimentação Escolar, em parceria com a Secretaria de Saúde através da Coordenação da Atenção Básica e dos agentes comunitários de Saúde, com a colaboração da fanfarra do Colégio Comunitário Alzair Martins Silva (CCAMS).

IMG-20170329-WA0001
Nutricionista Telmara Benevides        Fotos: divulgação

De acordo com Telmara, o nome “Alimentação do Barulho” foi uma estratégia para realizar a educação nutricional de forma lúdica. “Através de paródias com letras sobre alimentos saudáveis, as equipes da fanfarra, Alimentação Escolar e os agentes de Saúde chegavam às escolas cantando, dançando, dramatizando e distribuindo informativos relacionados ao tema”, lembra.

Segundo a especialista, as visitas às instituições de ensino foram realizadas, nos dias 27 e 28 de março, nos turnos da manhã e tarde. “Foi muito contagiante, pois o público gostou bastante”, garante.

A nutricionista fez questão de agradecer o apoio da coordenadora o Projeto Saúde Escolar, Thaísa Rodrigues, das secretárias de Saúde e de Educação, Noêmia Ludovino e Luzinete Miranda respectivamente, da diretora de Merenda Joseane Freitas e sua vice Edna Diniz, do pastor Eliudes Miranda e do secretário da  Secretaria de Assistência Social Gildásio Fernandes da Silva.

Itapé: Projeto Itapé Digital levará internet a praças públicas


Itapé Digital2

No dia de hoje (25/03) será realizado o lançamento oficial do Projeto Itapé Digital que levará internet via Wi-Fi a pontos estratégicos da cidade. A iniciativa tem o objetivo de promover a inclusão sóciodigital da população.

O Itapé Digital é uma parceria da Prefeitura Municipal de Itapé com a empresa Espaço Digital. Os bairros beneficiados pelo projeto são: Luís Viana Filho (Praça da Baixada); Centro (Praças da Mangueira e Raimundo Carreiro); Estiva (Praça de Cima); Cândido Bispo (Praça Principal) e no Entroncamento de Itapé (Praça Principal).

O prefeito de Itapé, Naeliton da Rosa Pinto, visitará todos os bairros contemplados com o serviço. O acesso ao Itapé Digital é gratuito o acesso deverá ser feito através da rede Ssid ITAPE DIGITAL. A senha é governandoparatodos.

 

Projeto que regula a profissão de detetive particular é aprovado


Demorou um pouco, mas agora é para valer! O Senado aprovou, no último dia 15, um projeto que regulamenta a profissão de detetive particular. O texto, que segue para a sanção presidencial, delimita a atuação do profissional, além de estabelecer requisitos para o exercício da atividade.

De acordo com a proposta, o detetive particular poderá atuar em investigações de casos familiares, conjugais, de quebra de contrato, de desaparecimento e localização de pessoas ou animais.

O texto também prevê que o detetive particular pode apurar questões de idoneidade de empregados e violação de obrigações trabalhistas, entre outros tipos de investigação.

Ainda segundo o projeto, caso a investigação do detetive detecte indício de crime, o procedimento deve ser interrompido e a situação notificada à autoridade policial.

Defensores do texto argumentaram que é necessário diferenciar a função do detetive particular da atividade policial.

malaqui

Requisitos

Para o exercício da profissão, o postulante a detetive particular deverá ter nível médio e ter concluído curso de profissionalização, com carga de 600 horas, em “atividade de coleta de dados e de interesse privado”.

Ele também deve ter, no currículo, conhecimentos de direito. Pela proposta, o detetive particular não pode ter histórico de condenação penal.

 

Vitória da Conquista: projeto literário tem despertado interesse pela leitura


Eis o lema da Escola Municipal Profª. Ita David de Castro: “Os livros nos fazem viajar por onde nossos pés não podem nos levar”. Por conta disso, em 2005, a equipe da Sala de Leitura, em parceria com a coordenação pedagógica da escola, criou o Projeto Literário: “O conto, o canto e o encanto da leitura”.

Durante o ano letivo, o projeto é dividido em duas partes: no primeiro semestre, as agentes de leitura trabalham o encantamento das crianças com o mundo literário. Já no segundo semestre, os alunos desenvolvem atividades para mostrar o que aprenderam com os livros. São realizadas dramatizações, contação de histórias ao ar livre, olimpíadas de leitura e biblioteca itinerante.

O projeto tem obtido resultados positivos. Mesmo depois de sair da escola, muitos alunos continuam fazendo empréstimos dos livros, por meio das carteirinhas da Sala de Leitura. Entre alunos da escola e ex-alunos, já são mais de 400 crianças aptas a levarem os livros para casa.

projetoliterario2

Segundo uma das idealizadoras do projeto, Laura Chaves, o Projeto Literário trabalha assuntos atuais e temas relacionados ao que é aprendido na sala de aula. “Trabalhamos integrados com o projeto pedagógico da escola. É um projeto que vale a pena porque as crianças ficam encantadas com a leitura e aprendem sobre coisas sérias de forma prazerosa. Recentemente, falamos sobre bullyinge, agora, estamos trabalhando sobre os valores. Além disso, vamos comemorar o Dia do Meio Ambiente com contação de histórias sobre a natureza”.

A agente de leitura Daiany Félix, salientou que a Sala de Leitura tem sido um atrativo para o mundo literário. “A leitura tem papel transformador, desenvolve o cognitivo, amplia o conhecimento e o vocabulário e influencia o modo de agir e pensar das crianças. A partir dela, a criança vai formando a própria opinião, transformando a sua realidade e também o mundo que a cerca”.

Ítalo Neves tem apenas cinco anos e já é apaixonado pelos livros. “Adoro o livro do leão e o dos cachorrinhos. Eu venho sempre para ler e para ver os livros”.

Daniel de Oliveira, de quatro anos, também aprova o espaço de leitura. “Eu gosto muito daqui. Leio e me divirto com as histórias dos livros”.

Olimpíadas de Leitura – As Olimpíadas acontecem no segundo semestre e premiam o aluno, o professor e a turma mais assídua na leitura. Forte candidata a ganhar o prêmio em 2016, por incentivar a turma à leitura, a professora Maria de Fátima destaca a importância dos livros. “Ensino crianças com quatro anos, e nessa fase é muito importante despertar e desenvolver o encantamento pela leitura. Por meio do lúdico e do faz de conta, as histórias se tornam vivas para eles. O resultado disso é que eles aprendem valores com exemplos tirados dos livros”.

Primeira edição do “Mulher com a palavra” lota Sala do TCA


O Dia Internacional da Mulher, 08 de março, foi encerrado com chave de ouro na Sala Principal do Teatro Castro Alves (TCA). É que ontem foi realizada a primeira edição do projeto “Mulher com a palavra”, da Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da Bahia (SPM-BA) e da Maré Produções Culturais.

O projeto, que conta com patrocínio da Companhia de Gás da Bahia – Bahiagás, teve em seu lançamento a cantora Elza Soares, importante nome na cultura do nosso país, mas que também é uma figura reconhecida pelas lutas e conquistas que inspiram mulheres brasileiras.

Mulhercomapalavra_080316_CreditoAlexsander_01
Elza Soares                  Foto: Alexsander
Elza, que tem mobilizado ainda mais o universo feminista após lançamento do seu último álbum “A mulher do fim do mundo”, brilhou no palco ao contar sua história de vida e de superação através da arte, com o teatro lotado e vibrando a cada revelação e trechos de músicas cantarolados.
O Diretor-presidente da Bahiagás, Luiz Gavazza, marcou presença. Já a Secretária Estadual de Políticas para Mulheres da Bahia, Olívia Santana, acompanhou e participou da conversa guiada pela jornalista Malu Fontes. A cantora Elza Soares falou sobre a sua infância, a educação que recebeu de seus pais, relacionamentos, maternidade, carreira, desafios, lutas, conquistas e superação, emocionando muitos dos que marcaram presença no evento.
Sobre o racismo e uma das suas interpretações “A carne”, Elza afirmou que não é possível continuar enxergando a carne negra como a mais barata do mercado, e que para isso ela já deu a sua contribuição. Ela contou que buscou seu próprio mundo apesar de ter recebido uma educação para não se expressar, e através da música, criou sua realidade longe da fome, miséria e sofrimento.
Sobre a sua mais recente canção “Maria da Vila Matilde”, do último álbum com canções inéditas e escolhidas a dedo por ela, Elza explicou que é um grito de alerta para incentivar as mulheres que têm medo de denunciar violências, como uma forma de tentar mudar esta realidade.
Ela que lutou pela sua autonomia, criou filhos e não deixou faltar nada a sua família, não cansou de repetir o quanto é importante continuar firme na luta e não desistir. Seu conselho para as mulheres é afirmarem para si mesmas que apesar de já terem conseguido algumas coisas, é preciso querer mais.
A gestora Olívia Santana agradeceu a Elza por ter aceito o convite, e ressaltou a importância desta artista que serve de inspiração para tantas mulheres, sobretudo, para as mulheres negras. “Elza é atemporal, é afinada com o empoderamento de todas as mulheres: negras, indígenas, brancas, rurais, lésbicas, transexuais, em privação de liberdade”, ressaltou a secretária, demonstrando satisfação em abrir o projeto com uma mulher tão especial.
Para quem não conseguiu os ingressos e nem assistiu através da transmissão ao vivo, haverá duas exibições pela TVE, uma no sábado (12), às 13h, outra domingo (13), às 15h. O projeto que caiu nas graças da população baiana terá novas edições.

Pará Caribe abre inscrições com novas oficinas na programação


Estão abertas as inscrições presenciais para as oficinas do projeto Pará Caribe, na Casa das Artes (antigo IAP), incluindo três novas oficinas: baixo, guitarra e sopro. As aulas iniciam no dia 14 de março e seguem, aproximadamente, até o dia 15 de abril. A taxa de inscrição é única (R$ 20), com gratuidade para estudantes de escolas e universidades públicas. A partir de amanhã (9/3) as inscrições também poderão ser feitas através de formulário no site da Fundação Cultural do Pará (www.fcp.pa.gov.br). Mais informações: 4006-2900.

Foto: Ascom Pará
Foto: Ascom Pará

Projeto Mulher com a Palavra entra em ação


Contando com o patrocínio e a sensibilidade da Bahiagás, Elza Soares é a convidada da primeira edição do projeto Mulher com a Palavra”, uma ação que busca discutir o empoderamento feminino por meio da arte. A cantora, que tem mobilizado a atenção das mulheres com a música Maria da Vila Matilde, vai soltar a voz no palco do Teatro Castro Alves, mas dessa vez não será pelo canto, e sim numa conversa sobre a atual situação das mulheres e como ela se reinventou através da arte.

 A história da mulher negra que sofreu com a pobreza nos anos de 1940 e foi declarada “cantora do milênio” pela BBC de Londres em 2000 será o ponto central para falar de gênero e conquista de espaços. A conversa terá a participação da secretária Olívia Santana e mediação da jornalista Malu Fontes. O evento marca o Dia Internacional da Mulher e será realizado em 08 de março às 20h. “Ser negra, mulher e brasileira é para mim um grande orgulho e minha maior missão. Que todas as mulheres sejam homenageadas. Somos a grande força do mundo e nosso caminhar é sagrado”, declara Elza.

 “Elza é a mulher do fim do mundo, que veio do planeta fome, como ela mesma se define. Acredito que ela tem muito a nos dizer. Sua fala forte faz uma releitura da sua própria vida, buscando fortalecer outras mulheres que ainda não conseguiram se libertar”, declara a Secretária de Políticas para as Mulheres da Bahia, Olívia Santana.

Os ingressos serão vendidos a preços populares nos valores de R$ 10,00(inteira) e R$ 5,00 (meia entrada). Informações na bilheteria do Teatro e no site www.ingressorapido.com.br

ConviteMulherComAPalavra