Cirurgias eletivas na Bahia são suspensas pela Sesab


Decisão tem provocado reações de funcionários dos hospitais

Thais Paim

Um anuncio feito recentemente pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) tem provocado insatisfação de alguns funcionários. O motivo? A determinação de que todas as cirurgias eletivas nos hospitais estaduais da Bahia estão suspensas por prazo indeterminado. 

De acordo com a gestão, o motivo é de que os leitos e recursos estão sendo remanejados para o combate e atendimento de pacientes com coronavírus. Apesar da justificativa, as críticas seguem. 

A decisão, tomada na semana passada, provocou reações. Um exemplo dessa movimentação foi uma manifestação feita na frente do hospital Dia do Hospital Roberto Santos (HGRS), no Cabula, em Salvador, após os funcionários da unidade receberem aviso prévio. O ato aconteceu na manhã desta segunda-feira (4). 

O secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas, concedeu uma entrevista ao Jornal da Manhã e explicou que a decisão atinge várias unidades estaduais e também foi adotada em outros estados do país. De acordo com ele, os procedimentos eletivos podem “tranquilamente ser remarcados”.

No caso específico do Hospital Roberto Santos o atendimento está suspenso por prazo indeterminado, e a gestão vai “reavaliar o funcionamento do hospital dentro do perfil de toda a região de saúde leste com inauguração de várias outras unidades”.

Além disso, os pacientes que tinham cirurgias agendadas já estão sendo informados sobre a necessidade de suspensão do procedimento, de forma temporária, de acordo com a Sesab. Valendo lembrar que as outras atividades do hospital continuam funcionando normalmente.

Sesab divulga números do coronavírus na Bahia


A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) confirmou, no final da tarde da última terça-feira (31), mais 41 novos casos de contaminação pelo novo coronavírus no estado. Com isso, o total de casos confirmados no estado totaliza 217, o que representa 3,7% do total de casos notificados (5.899). A primeira morte no estado foi registrada no domingo (29). E a segunda morte no estado ocorreu na segunda-feira (30).

Até o momento, 1.393 (23,7%) casos foram descartados. Este número contabiliza todos os registros de janeiro até as 17 horas desta terça-feira (31). Permanecem em investigação epidemiológica 4.279 (72,7%) casos. Ao todo, 17 pessoas estão curadas e 42 estão internadas.

Ainda de acordo com a Sesab, de 27 a 31/03, 149 pacientes com suspeita de COVID-19 estão internados em hospitais do estado. No boletim de segunda-feira, esse número correspondia a 92. Já no domingo, eram 46 pacientes internados. O aumento de pessoas internadas com suspeita de Covid-19 em 48h é cerca de 223%.

Os casos confirmados estão distribuídos em 30 municípios do estado. As cidades de Barra, Catu, Candeias, Coaraci, Itajuípe e Medeiros Neto tiveram o primeiro caso confirmado nesta terça-feira. Já as cidades de Alagoinhas, Feira de Santana, Camaçari, Brumado, Ilhéus, Itabuna, e Salvador tiveram aumento no número de casos, com maior proporção para a capital baiana, que passou de 117 para 132.

 Os municípios com casos positivos são estes: Alagoinhas (3); Barreiras (1); Barra (1); Brumado (4); Camaçari (2); Canarana (1); Candeias (1); Conceição do Jacuípe (1); Conde (1); Dias D’Ávila (1); Feira de Santana (17); Ilhéus (6); Itabuna (4); Itagibá (1); Itamaraju (1); Itororó (1); Jequié (1); Juazeiro (2); Lauro de Freitas (11); Medeiros Neto (1); Nova Soure (1); Pojuca (1); Porto Seguro (10); Prado (3); Salvador (132, sendo três importados); São Domingos (1) e Teixeira de Freitas (1). Um caso notificado em Lauro de Freitas é de uma pessoa residente no estado do Rio de Janeiro. Assim como outro caso notificado em Feira de Santana é do estado do Piauí.
Primeira vítima do estado era idosa
O primeiro paciente que morreu vítima do Covid-19 era um idoso de 74 anos, residente em Salvador, que estava internado no Hospital da Bahia, com outras doenças associadas. Ele era hipertenso, ex-fumante, dislipidêmico (com índice alto de gordura no sangue) e com sinais radiológicos de enfisema pulmonar.

Já o segundo paciente vítima do Covid-19 era um idoso de 64 anos, saudável, que estava internado no Hospital Aliança, unidade particular da capital baiana. O secretário detalhou que o paciente era diabético e hipertenso.

De acordo com o boletim da Sesab, até esta terça foram registrados 25 óbitos, sendo 14 descartados laboratorialmente, 9 em investigação e 2 óbitos confirmados.

Doença misteriosa que causa urina preta já possui 22 casos em Salvador


A Secretaria Municipal de Saúde de Salvador (SMS) informou que já foram notificados, até a segunda-feira (19), 22 casos da doença ainda não identificada, que provoca dor muscular intensa e urina preta. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (20) pelo órgão, que acompanha os casos.

O último boletim da secretaria, na segunda-feira, informou 19 casos notificados da doença. Ainda não há informações de outras cidades da Bahia onde existam registros de casos. A Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) também se posicionou sobre o caso e divulgou um alerta epidemiológico para que os profissionais de saúde fiquem atentos e notifiquem os casos da doença. Conforme a Sesab, todos os pacientes notificados residem na capital baiana, sendo que 14 relataram o consumo de peixe, enquanto oito não se recordam ou não consumiram peixe.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde do Estado informou que está em curso um processo de investigação que reúne profissionais da vigilância epidemiológica, vigilância sanitária e ambiental, assim como os técnicos do Laboratório Central do Estado (Lacen).

A Sesab alerta que a população deve procurar imediatamente uma unidade de saúde caso apresente os sintomas como dor muscular intensa, de início súbito, acometendo, principalmente, a região cervical (pescoço), ombros, costas, coxas ou panturrilhas. Todas as unidades de urgência e emergência estão orientadas a notificar imediatamente os casos suspeitos de mialgia aguda, o que possibilita acelerar o processo de investigação.

medicosbrasil

Pesquisa
O laboratório de virologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), coordenado pelo professor Gúbio Soares, já analisou amostras de urina, fezes e sangue de quatro pacientes que apresentaram os sintomas, como fortes dores que começam no pescoço e nas costas, e que em 24 horas se espalham para braços e pernas.

A suspeita levantada pelas pesquisas é que a doença seja causada elo enterovirus tipo “b” ou pelo parechovirus humano. Os dois provocam mialgia, que são as dores musculares. De acordo com o pesquisador, a suspeita maior é que parechovirus seja o responsável pelo surto, já que as dores provocadas por ele são mais fortes. Nos últimos 10 anos, na França e no Japão, foram registradas contaminações de pelo menos 60 pessoas que sentiram dores provocadas pelo parechovirus.

A forma de transmissão pode ser pelo ar ou pelas fezes de pessoas contaminadas, que são espalhadas no mar. Alguns dos pacientes estiveram em Guarajuba, no Litoral Norte da Bahia, antes de apresentarem os sintomas. A contaminação pela ingestão de peixes não foi descartada. Guarajuba os esgotos estão sendo jogados no mar, esse mar provavelmente vai estar contaminado. Tudo isso abre um leque de investigação e uma oportunidade de se estudar”, explicou.

O Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) informou que apesar de serem responsáveis pela avaliação da qualidade da água no Litoral Norte, o assunto está a cargo da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), que disse que o caso está sendo investigado. Já a Embasa disse que o esgoto da região é devidamente tratado e destinado ao Rio Pojuca, que desemboca no mar, entre as praias de Guarajuba e Praia do Forte.

O infectologista Antônio Bandeira já havia apontado que a enfermidade pode ser causada por um vírus ou por uma toxina presente em peixes de água salgada, por conta de relatos de pacientes que apresentaram sintomas. Em um dos casos mais graves na Bahia, a doença chegou a causar insuficiência renal.