Tarifas de lanchas, catamarãs e ferry são reajustadas; saiba mais


Aumento é regulamentado pela Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba)

Nesta segunda-feira (14), as linhas hidroviárias intermunicipais, lanchas, catamarãs e ferry boat, partindo de Salvador já começaram a funcionar com os novos valores após reajuste nas tarifas. 

Não houve aumento de tarifa para pedestres, veículos pequenos e grandes no ferry, somente as categorias intermediárias terão aumento do valor cobrado. 

Entre os veículos com alteração de valores das tarifas do sistema ferry-boat estão ônibus, micro-ônibus, jamanta, caminhão trucado, motocicletas e reboques, com acréscimo de R$0,10, R$ 0,20, R$0,40 e R$1,20.

O reajuste, regulamentado pela Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba), foi de 16,36% para viagens via catamarãs para Morro de São Paulo, de 13,26% para a travessia por Lanchas para Vera Cruz, e de 0,045% para travessia via Ferry-Boat para Itaparica. A agência informou que correção de valores teve base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e variação do combustível.

Outra mudança foi a passagem das lanchinhas, que antes custava R$ 5,60 e agora será cobrado o valor de R$ 6,10, de segunda à sábado. Já aos domingos e feriados, a tarifa de R$ 7,40 agora será R$ 8,20. A passagem dos catamarãs, com o reajuste, é de R$ 110,10 (antes era R$ 95,20).

Confira abaixo a tabela com os novos valores: 

Pix começa a funcionar de forma experimental


A partir de hoje (3), um grupo limitado de clientes poderá pagar e receber recursos pelo Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC). A ferramenta entra em fase restrita de funcionamento, para ajustes e correções de eventuais problemas, enquanto o BC faz a migração do serviço do ambiente de testes para o ambiente real.

O Pix funcionará em horários determinados para um grupo de 1% a 5% dos clientes de cada instituição financeira aprovada para operar a ferramenta. Os clientes autorizados a participar da fase restrita já foram comunicados pela instituição correspondente.

O novo sistema entrará em operação para todos os clientes no próximo dia 16. Na fase restrita, o Pix funcionará das 9h às 22h, de segunda a quarta-feira. Às quintas, o serviço reabrirá às 9h e só terminará de funcionar às 22h das sextas-feiras, para permitir o teste durante a madrugada.

A partir da próxima segunda (9), as instituições financeiras poderão elevar gradualmente o número de clientes aptos a participar do Pix, até que o sistema entre plenamente em operação, no próximo dia 16, com a possibilidade de fazer pagamentos e recebimentos 24 horas por dia por toda a população.

Registros

Desde 5 de outubro, os clientes podem registrar as chaves digitais de endereçamento. Segundo o balanço mais recente do BC, até a última quinta-feira (29) mais de 50 milhões de chaves tinham sido cadastradas. Como cada pessoa pode ter mais de uma chave, o número exato de pessoas registradas é desconhecido.

As chaves funcionarão como um código simplificado que associará a conta bancária ao número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), e-mail, número do celular ou uma chave aleatória de 32 dígitos. Em vez de informar o número da agência e da conta, o cliente apenas informa a chave para fazer a transação.

Uma pessoa física pode criar até cinco chaves por conta corrente. Para empresas, o limite aumenta para 20.

Instantaneidade

Por meio do Pix, o cliente pode pagar e receber dinheiro em até dez segundos, mesmo entre bancos diferentes. Diferentemente da Transferência Eletrônica Disponível (TED) ou do Documento de Ordem de Crédito (DOC), que têm restrições de horário, o Pix funciona 24 horas por dia. Por questões de segurança, cada instituição financeira definirá um valor máximo a ser movimentado, mas o BC estuda criar modalidades para a venda e compra de imóveis e de veículos que permitam a movimentação instantânea de grandes quantias.

Para as pessoas físicas e para os microempreendedores, as transações serão gratuitas, exceto nos casos de recebimento de dinheiro pela venda de bens e de serviços. As pessoas jurídicas arcarão com custos. As tarifas dependerão de cada instituição financeira, mas o BC estima que será R$ 0,01 a cada dez transações.

O Pix servirá não apenas para transferências instantâneas de dinheiro, como poderá ser usado para o pagamento de boletos, de contas de luz, de impostos e para compras no comércio. Com a ferramenta, será possível o cliente sacar dinheiro no comércio, ao transferir o valor desejado para o Pix de um estabelecimento e retirar as cédulas no caixa.