Assassinato de PM: seis testemunhas já foram ouvidas


Equipes da Força-Tarefa da Secretaria da Segurança Pública que investiga morte de policiais já ouviram seis testemunhas que presenciaram a morte do soldado PM Jaílson César dos Santos Mendes, lotado na 53ª Companhia Independente da Polícia Militar (Mata de São João). As primeiras informações são de que dois homens, um deles aparentando ser ainda adolescente, entraram no coletivo na região do Iguatemi e anunciaram o assalto na Avenida Paralela.

“Segundo as testemunhas, no momento que o roubo foi iniciado o militar reagiu e acabou atingido por disparos de arma de fogo. Socorrido para o Hospital Roberto Santos, não resistiu. Chegamos no local do crime às 7 horas, pouco depois da ocorrência do fato, e obtivemos importantes detalhes que certamente nos ajudarão na elucidação do caso”, explicou o coordenador da Força-Tarefa, delegado Odair Carneiro.

Ele acrescentou que outras informações podem ser repassadas para a polícia, através do Disque-Denúncia da SSP (3235-0000).

Homem preso por agredir matar cachorro no Aterro do Flamengo


Um veterinário e agentes civis da Operação Segurança Presente, parceria entre a Secretaria de Estado de Governo e o Sistema Fecomércio RJ, ajudaram a socorrer o filhote, que não resistiu Foto: Divulgação Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/homem-preso-por-agredir-matar-cachorro-no-aterro-do-flamengo Foto: divulgação
O filhote receber socorro mas não resistiu    Foto: divulgação

 

Um homem, identificado como Rodrigo Martins da Silva, foi preso, neste domingo, suspeito de agredir e matar um filhote de cachorro, no Aterro do Flamengo, na Zona Sul do Rio.

Agentes da Operação Aterro Presente e policiais militares foram acionados por pedestres que denunciaram um princípio de confusão no Shopping Bossa Nova Mall. Um homem era perseguido por outras duas pessoas e também tentou fugir da abordagem policial. Rodrigo Martins da Silva foi apontado como o autor das agressões ao animal, que estava dentro de um saco plástico.

De acordo com as testemunhas, ele deu socos no filhote e o jogou no chão diversas vezes, além de estrangular o cachorro. As testemunhas também conseguiram impedir que Rodrigo jogasse o animal no mar. Um veterinário que estava no local prestou atendimento ao filhote, que não resistiu aos ferimentos e morreu. A ocorrência foi registrada na 9ª DP (Catete) Rio de Janeiro.

Na delegacia, foi verificado que Rodrigo já tem uma anotação criminal por lesão corporal. Ele foi autuado por maus tratos aos animais, artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais, que tem como pena prisão de três meses a um ano e multa. Com a morte do filhote, a pena pode ser aumentada de um sexto a um terço.