Serviço de transporte intermunicipal suspenso em 34 cidades baianas


Agora são 34 cidades baianas com o serviço de transporte intermunicipal suspenso temporariamente. A partir de hoje, (1º), os municípios de Itagibá, Itamaraju, Itororó, Pojuca e Dias d’Ávila também vão ter restrições na operação, até o dia 5 de abril. A medida foi divulgada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta terça-feira (31).

Com a divulgação no DOE, portanto, fica suspensa a circulação, a saída e a chegada de qualquer transporte intermunicipal rodoviário e hidroviário, nas modalidades regular, fretamento, complementar, alternativo e de vans dos municípios no decreto, nos 34 municípios. Os ônibus interestaduais também não podem circular na Bahia até 5 de abril.

A suspensão afeta, principalmente, cidades com casos de coronavírus ou cidades que estão integradas a municípios com registro da doença. As primeiras cidades a entrarem no decreto foram: Salvador, Itaparica, Feira de Santana, Lauro de Freitas, Simões Filho e Porto Seguro.

Conforme o último boletim divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), o total de casos confirmados da Covid-19 na Bahia é de 176. Além disso, o estado já registrou duas mortes pela doença.

Confira abaixo a lista das cidades:

Transporte intermunicipal suspenso em:

  1. Salvador
  2. Feira de Santana
  3. Porto Seguro
  4. Prado
  5. Lauro de Freitas
  6. Simões Filho
  7. Vera Cruz
  8. Itaparica
  9. Itabuna
  10. Ilhéus
  11. Itacaré
  12. Camaçari
  13. Luís Eduardo Magalhães
  14. Barreiras
  15. Bom Jesus da Lapa
  16. Guanambi
  17. Vitória da Conquista
  18. Santa Maria da Vitória
  19. Correntina
  20. Entre Rios
  21. Jequié
  22. Brumado
  23. Conceição do Jacuípe
  24. Juazeiro
  25. Teixeira de Freitas
  26. Nova Soure
  27. São Domingos
  28. Canarana
  29. Ipiaú
  30. Itagibá
  31. Itamaraju
  32. Itororó
  33. Pojuca
  34. Dias d’Ávila

 

Fetranspor ameaça paralisar linhas intermunicipais


A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) ameaçou paralisar as linhas de transporte intermunicipais após a decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que obriga as empresas a continuar aceitando o sistema de Bilhete Único intermunicipal (BUI), nas mesmas condições já estabelecidas, sob pena de multa diária de R$ 500 mil.

As concessionárias ameaçavam suspender o benefício a partir da 0h desta segunda-feira (5). A ação cautelar foi movida pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) e vale para Fetranspor, Riocard, Metro Rio, SuperVia e Barcas S/A.

A decisão, expedida pelo desembargador Alexandre Freitas Câmara, da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, atesta que apesar de as empresas reclamarem de o Estado não ter depositado R$ 8 milhões entre os dias 25 e 29, o repasse de R$ 3,3 bilhões realizado este ano pelo governo afasta o risco de inviabilizar a capacidade operacional das concessionárias e, portanto, o risco da interrupção dos serviços, segundo nota do TJ-RJ.

onibus-rio1
Foto: divulgação

A Fetranspor informou que a suspensão dos repasses dos subsídios previstos no Bilhete Único Intermunicipal vai provocar a paralisação de linhas importantes do serviço intermunicipal de passageiros na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Segundo o comunicado, o Bilhete Único Intermunicipal representa, em média, 29% da receita das empresas de transporte por ônibus obtidas em transações com cartão eletrônico.

Esse percentual, segundo a concessionária, é superior ao segundo maior custo das empresas, o combustível (óleo diesel), que chega a 25% do total de despesas. O texto diz que a falta de repasse dos subsídios do Bilhete Único Intermunicipal agrava ainda mais a situação das empresas, que estão às vésperas de pagamento da segunda parcela do 13º salário (de 50%), prevista para o dia 20 deste mês, que pode não ocorrer.

A Fetranspor informa ainda que já entrou com pedido pela reconsideração da decisão da Justiça.