Professor Carlos Alberto Decotelli é o novo ministro da Educação


O professor Carlos Alberto Decotelli da Silva é o novo ministro da Educação. Ele sucederá Abraham Weintraub, que, após 14 meses no cargo, anunciou demissão na semana passada para assumir um posto de diretor representante do Brasil no Banco Mundial, em Washington (EUA). Decotelli será o terceiro ministro da Educação no governo Bolsonaro. Antes de Weintraub, Ricardo Vélez Rodríguez permaneceu pouco mais de três meses no comando da pasta.

Carlos Alberto Decotelli da Silva presidiu o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) entre fevereiro e agosto do ano passado. Depois, passou para a Secretaria de Modalidades Especializadas do Ministério da Educação.

Decotelli é bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), mestre pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), doutor pela Universidade de Rosário (Argentina) e pós-doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha.

Ele sucederá Abraham Weintraub, que, após 14 meses no cargo, anunciou demissão na semana passada para assumir um posto de diretor representante do Brasil no Banco Mundial, em Washington (EUA). Decotelli será o terceiro ministro da Educação no governo Bolsonaro. Antes de Weintraub, Ricardo Vélez Rodríguez permaneceu pouco mais de três meses no comando da pasta.

Carlos Alberto Decotelli da Silva presidiu o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) entre fevereiro e agosto do ano passado. Depois, passou para a Secretaria de Modalidades Especializadas do Ministério da Educação.

Decotelli é bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), mestre pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), doutor pela Universidade de Rosário (Argentina) e pós-doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha.

 

22ª OBA tem 800 mil participantes


Nesta sexta-feira, cerca de 800 mil estudantes brasileiros do ensino fundamental e médio fizeram as provas da 22ª edição da OBA (Olimpíada de Astronomia e Astronáutica). Ao todo, quase 8,5 mil escolas foram cadastradas. O gabarito será divulgado amanhã (18).

Dividida em quatro níveis (três para alunos do fundamental e uma para o ensino médio), a Olimpíada é composta por uma prova com dez perguntas: sete de astronomia e três de astronáutica.

“Estamos felizes com essa etapa vencida. Agora, a bola está com os professores, que têm que corrigir as provas, digitar nomes e notas dos alunos. Depois, isso vem para nós classificarmos os estudantes”, explica o coordenador nacional da OBA, João Canalle, professor e astrônomo da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

Os melhores classificados na OBA representam o país nas olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica.

A OBA é coordenada por uma comissão formada por membros da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e da AEB, e conta com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Universidade Paulista (Unip).

Uerj sem condição de iniciar aulas no próximo semestre


O ano de 2017 já está na metade e a situação das universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro continua crítica. Uma carta assinada pelos reitores da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), da Uezo (Fundação Centro Universitário da Zona Oeste)  e da Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense) ressalta que as instituições não têm condições de iniciar as aulas do próximo semestre, caso não sejam quitados os salários atrasados dos servidores públicos. Na próxima semana, os estabelecimentos de ensino estaduais fecham ainda o segundo semestre 2016 — retomado em abril depois da greve. O período ainda não confirmado diz respeito ao primeiro de 2017.

“É importante ressaltar que só será possível o término do atual semestre tendo em vista o comprometimento dos professores, quadro técnico e das empresas prestadoras de serviço. Logo, se medidas não forem tomadas, Uerj, Uenf e Uezo não terão como iniciar as aulas no próximo semestre”, lê-se na mensagem de Ruy Garcia Marques, reitor da Uerj, Maria Cristina de Assis, da Uezo, e de Luis Passoni, da Uenf.

uerj

Na carta, endereçada ao secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Social, Pedro Fernandes, os reitores ressaltam a importância da igualdade de tratamento entre todos os profissionais da educação do estado, em referência ao pagamento dos servidores da Secretaria de Educação.

Uma ação movida pela OAB-RJ obriga o governo a pagar os servidores da universidade na mesma data em que remunera os servidores da secretaria. Na carta, os reitores querem garantir a quitação dos salários atrasados de todas as instituições vinculadas à Ciência e à Tecnologia — o 13º salário de 2016 e os vencimentos de abril, maio e junho.

Os reitores ressaltam que a quitação dos débitos é fundamental para a manutenção das atividades educacionais. As paralisações geram, segundo eles, prejuízo direto a mais de 150 mil alunas da rede pública de ensino e às atividades econômicas e sociais ligadas aos institutos.