França não quer mais importar soja do Brasil


O presidente Macron anunciou um Plano de Desenvolvimento Agrícola para garantir a independência da produção e da Soberania Nacional

André Lucas

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou  que vai começar a reduzir a importação da soja brasileira como forma de combater o desmatamento no país. Macron postou um vídeo em suas redes sociais onde prometeu criar uma espécie de “soja Europeia”. 

“Continuar a depender da soja brasileira seria o mesmo que apoiar o desmatamento da Amazônia. Somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”, escreveu. O argumento francês é questionado pelo governo brasileiro, que insiste que a soja não é produzida na Amazônia. 

Nos últimos anos o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro e o Macron trocaram farpas por diversos motivos, esse é mais um capítulo dessa rivalidade que pode atrapalhar os planos do Brasil de fazer acordos com a União Europeia.  

Nessa terça feira o Presidente Jair Bolsonaro visitou produtores agrícolas e gravou um vídeo dizendo que os franceses são incoerentes, tomam medidas contra o desmatamento, porém, ao mesmo tempo importam produtos que desmataram a floresta brasileira. 

“A maneira concreta de fazer não é apenas dizer, mas agir. E agir é dizer: nós precisamos hoje da soja brasileira para viver. Portanto, vamos produzir a soja europeia ou o equivalente”, insistiu. 

Macron ainda falou que a tal proposta é uma maneira de garantir a soberania nacional do país, acabando com uma política de mais de 50 anos importando proteínas da América do Sul, Macron ainda explica que existe um projeto para desenvolver a produção agrícola no continente Africano, e tornar sustentável. 

O discurso não agradou os produtores de soja no Brasil.  A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse em nota que “lamenta que o presidente da França, Emmanuel Macron, busque justificar sua decisão de subsidiar os agricultores franceses atacando a soja brasileira”. 

“Como bem sabe Macron, a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008, graças a Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida, que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais”, completaram. 

Em 2020 o presidente Francês já tinha anunciado que ia investir no desenvolvimento agrário do país, para construir a independência de produtos agrícolas, principalmente da soja brasileira. 

A França é um dos países que mais depende da soja, anualmente o país importa 3,3 milhões de toneladas de soja, do Brasil e dos Estados Unidos. 

O Ministro da agricultura da França, Julien Denormandie, anunciou o Plano de desenvolvimento agrícola argumentando que chegou a hora do país produzir seu próprio estoque de proteínas, separar de depender de outros países e de acabar com a “importação do desmatamento”. 

Paris e Brasília não tem uma boa relação já não é de hoje, no ano passado Macron foi um dos responsáveis por parar as negociações entre Brasil e UE, com argumentos relacionados ao clima e desmatamento, o presidente francês teve influência suficiente para botar a UE contra o Brasil.

Segunda vacina aprovada contra o covid 19


Julia Vitoria

Mais uma vacina contra o coronavírus  foi aprovada pela agência reguladora de medicamentos da Europa, a vacina moderna. As autoridades estão acelerando a disponibilização de doses para conter a pandemia em meio a preocupação com novas variantes do vírus. O órgão regulador europeu deu um comunicado falando que chegaram num consenso sobre a recomendação da vacina da moderna logo após o Comité de Medicamentos para Uso Humano da EMA (CHMP) ter avaliado ter avaliado os dados sobre a segurança da vacina.

Emer Cook, diretor executivo da EMA, fala que a vacina fornece outra ferramenta para passar por essa crise atual. Para ele a vacina é uma uma prova de empenho e esforço de todos e que tem essa segunda recomendação é vacinado desde que a pandemia começou.

30 mil pessoas contribuíram para o estudo clínico que ocorreu, e a vacina da moderna foi considerada, mostrando um número bem notável de 94,1% de eficácia. A vacina é aplicada em duas doses com 28 dias de intervalo cada uma. 

A vacina teve 90,9 por cento de eficácia também naquelas pessoas que pertencem ao grupo de risco, como as que têm doenças crônicas no pulmão, ansiedade, diabetes e doenças cardíacas. Ursula von der Leyen presidente da comissão europeia reagiu ao anúncio comemorando em seu Twitter falando sobre os esforços para criar mais vacinas contra a covid 19.

O presidente também ressaltou que estão trabalhando em máxima velocidade para aproveitar e tornar disponível a vacina na União  Europeia.

À eficácia da vacina moderna e a da Pfizer são semelhantes, o que muda é o armazenamento. A vacina Pfizer precisa ser guardada pelo menos a menos 80 graus Celsius, enquanto a moderna pode ser armazenada em temperatura de congelamento e ficar entre 2° a 8° graus num período de 30 dias o que facilita todo o transporte e distribuição.

O diretor executivo da EMA em comunicado Disse que vai monitorar de perto os dados sobre a eficácia da vacina para garantir o uso e a proteção continua na União Europeia, ele também ressalta que os trabalhos são orientados pelas provas científicas  pelo compromisso de salvar vidas.

Europa está em alerta: Nova mutação do covid é registrada no continente


Apesar do medo de um novo surto, os europeus estão esperançosos com o começo da vacinação

André Lucas

Europa vive em alerta com o surgimento de uma nova mutação do vírus covid – 19. Autoridades locais na Inglaterra, França, Áustria, Holanda e Dinamarca aumentaram as restrições para o combate as aglomerações nesse fim de ano, o medo é que tenha um surto da nova mutação. Países vizinhos proíbem voos para os países com a mutação registrada. Na semana passada  o governo do Reino Unido decretou lockdown após muita pressão de médicos e cientistas.

O que sabemos da mutação do covid – 19 até agora?  

Um estudo na London School de Higiene e Medicina Tropical (universidade inglesa)  apontou que o vírus é até 74% mais contagioso. 

“Com base nos dados preliminares disponíveis”, o estudo conclui que a variante do Sars-Cov-2, que suspeita-se estar na origem do forte aumento do número de casos no sudeste da Inglaterra nas últimas semanas, “poderia ser 50% a 74% mais transmissível” do que as formas do vírus até agora em circulação. O recente aumento no número de infecções” em várias regiões “pode continuar e se espalhar para todas as partes do Reino Unido, se não houver uma ação imediata.” afirmou Nick Davies, biólogo que participou da pesquisa.  

Até agora sabemos que 12 países registraram a nova mutação do vírus, são eles; França, Espanha, Inglaterra, Japão, Suécia, Suíça, África do Sul, Alemanha, Canadá, Itália, Dinamarca, Austrália e Holanda.

A Espanha registrou recentemente os casos da mutação do novo Vírus, o  vice conselheiro de Saúde Publica de Madrid afirmou que os casos registrados no país São devidos a vinda de pessoas da Inglaterra para a Espanha.

“A situação dos pacientes confirmados não é grave, sabemos que a cepa é mais transmissível, mas não provoca gravidade. Não se deve tomar a notícia com nenhum tipo de nervosismo”. 

A França também divulgou recentemente que registrou caso da nova mutação do corona Vírus. A boa notícia é que o país já recebeu doses da vacina e começou a distribuir nesse domingo dia 27 de dezembro. Diferente do resto da Europa que optou por vacinar primeiro os trabalhadores da saúde que estão na linha de frente na luta contra o covid-19, a França optou por vacinar primeiro os idosos vulneráveis em grupos de riscos. 

“pessoas mais susceptíveis de adoecerem e de adoecerem com formas graves. Não esquecendo que no pessoal da saúde poderá haver também pessoas vulneráveis, doentes, que necessitem de ser vacinadas na primeira fase”. Afirmou Suzette Fernandes, responsável de utentes no Hospital Henri Mondo de Créteil. 

Vacinação no resto da Europa: 

A União Europeia também começou a vacinação em massa nesse domingo, os países do bloco elaboraram uma campanha de vacinação juntos. Aposentados e idosos foram os primeiros a serem vacinados no continente. O bloco de países europeus fizeram acordos com diversas fabricantes de vacinas contra o Covid-19, como por exemplo a Pfizer, AstraZeneca e a Moderna.  O acordo prevê 2 bilhões de doses da vacina e todos os adultos vacinados até o fim de 2021.  

A vacinação contra o Covid também começou na Noruega, que apesar de não estar no bloco econômico europeu, participa do movimento da UE.