Além de Gerson, BH também vai processar o jogador Ramires por racismo


O Flamengo contratou especialista em leitura labial que apontaram xingamentos racistas contra BH, proferidos por Ramires

André Lucas

Durante o jogo entre Bahia e Flamengo o jogador Gerson afirmou ter sofrido racismo, segundo o camisa 8 da gávea as ofensas vieram do jogador do Bahia, Juan Pablo Ramires. Depois da confusão dentro de campo o jogador do Flamengo deu uma entrevista explicando sua alteração no campo.  

“Ele falou bem assim: Cala a boca, negro. Eu estou vindo aqui, eu nunca falei nada disso porque eu nunca sofri, mas isso daí eu não aceito. Eu não aceito. O Mano (Menezes) até falou “Ah, agora você é vítima, não é? O Daniel Alves te atropelou e você não falou nada. Claro, porque teve respeito entre eu e ele. Eu nunca falei de treinador, mas o Mano tem que saber respeitar. Estou vindo falar aqui por mim e por todos os negros do Brasil.” 

A partida terminou 4×3 para o Flamengo, no Maracanã, e deixou o time vivo no Campeonato Brasileiro. A próxima partida do time carioca é contra o Fortaleza, no Castelão, no próximo sábado (26). O jogo acontecerá às 19:00 horas, vale pela 27º rodada da competição nacional. 

Após o jogo o jogador rubro negro prestou depoimento contra o jogador do Bahia na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) do Rio de Janeiro, ontem, dia 22 de dezembro. Gerson não falou sobre o caso com a imprensa na delegacia, mas se manifestou mas redes sociais.

“Vim falar sobre o ocorrido, mas não vim falar apenas sobre mim. Quero deixar bem claro que falo pela minha filha, que é negra. Pelos meus sobrinhos, que são negros. Meu pai, minha mãe, amigos .. por todos os negros no mundo. Hoje tenho status de jogador de futebol e voz ativa para poder falar e dar força às pessoas que sofrem racismo ou outros tipos de preconceito”

 O inquérito foi aberto na segunda feira e estar em processo de apuração dos fatos. Além dos atletas Gerson e Ramires, o técnico Mano Menezes e o juiz da partida,  Flávio Rodriguez de Souza.  

O jogador do Bahia nega as acusações, em vídeo publicado pelo clube baiano Ramires fala sobre o mal entendido durante o jogo,  que o atleta rubro negro confundiu o que ele disse por conta do idioma, e que o jogador Bruno Henrique, do Flamengo, ofendeu ele, “ me chamou de gringo de merda”.

“Em nenhum momento fui racista. Nem com Gerson e nem com outra pessoa. Quando fizemos o gol, levamos a bola para o meio para reiniciar o jogo rapidamente. Bruno Henrique segura. Eu começo a correr e digo a ele: “Jogue rápido, irmão. Joga sério”. Ele joga a bola para trás. Gerson me diz algo, mas eu não entendo muito o português. Não entendi o que falou e disse: “Joga rápido, irmão”. Não sei o que ele entendeu e ele começou a me perseguir. E eu sem saber o que tinha acontecido. Eu saí por trás porque não queria brigar com ninguém. Ele disse que eu falei “cala a boca, negro”. Eu não falo português tão fluentemente. Estou há um mês no Brasil. Sobre o fato de ser racista, não estou de acordo. Em nenhum momento falei isso, uma palavra tão ruim”, disse Ramírez. 

O Clube de Regatas do Flamengo enviou imagens da discussão entre Ramires e BH ao Instituto de educação de surdos. Na análise dos especialista o jogador do Bahia disse ao jogador rubro negro “Está falando muito, seu negro”. O clube anunciou que vai abrir processo no STJD acusando o jogador do Bahia de ter sido racista com o Bruno Henrique. 

– O Flamengo encomendou a especialistas do INES – Instituto de Educação de Surdos, uma leitura labial da situação do Ramirez com o Bruno Henrique momentos antes do que se passou com o Gerson. A prova revelou que teria havido a ofensa, vamos apresentar ao STJD e entregar a polícia – anunciou o vice-presidente jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches, nas redes sociais. 

O caso está sendo investigado, qualquer nova atualização o Carvalho News (CN) leva até você.