Congresso estadunidense é invadido por manifestantes PróTrump


Foram registradas quatro mortes no confronto com a polícia

André Lucas

Ontem nos Estados Unidos, manifestantes Pró Trump invadiram o Capitólio,  que é o nome do prédio do congresso estadunidense. Momentos de tensão e desespero tomou conta da Câmara dos  Representantes, que é equivalente à Câmara dos Deputados aqui no Brasil. Os policiais que tentavam proteger o prédio e os políticos, tiveram que sacar suas armas e apontar para os manifestantes. 

No Capitólio, que também abriga o Senado do país, estava acontecendo uma sessão de certificação da vitória do novo presidente, Joe Biden. A sessão foi encerrada quando manifestantes invadiram o prédio, isso pouco tempo depois de que Donald Trump, que estava em um comício, perto da Casa Branca, convocou protestos contra a certificação de Vitória do Biden. 

Centenas de pessoas se reuniram na frente do prédio, e muitas delas conseguiram invadir, dentro do prédio a situação ficou mais tensa, os policiais pegaram armas de fogo para conter os manifestantes.  

Durante a tentativa de conter e expulsar os manifestantes, gás lacrimogêneo foi disparado centenas de vezes em direção aos protestantes, com isso os agentes orientaram os representantes, que estavam escondidos entre as cadeiras da Câmara, a usar máscaras. Os deputados com máscaras e escondidos entre as cadeiras, viralizou na internet, fotos e vídeos são curtidas e compartilhadas o tempo todo.  

Falando em votos e vídeos que viralizou, outra coisa que foi muito compartilhada nas redes sociais em relação a invasão ao Capitólio,  foram os registros de manifestantes sentando nas cadeiras dos representantes e agindo como se fossem Deputados. 

No fim uma notícia triste foi confirmada. 4 pessoas  morreram  durante o protesto, na luta com a polícia para tentar invadir o prédio. O chefe de departamento da polícia informou que foram 2 mulheres e dois homens, 3 mortes não têm identidades confirmadas, apenas uma mulher foi identificada. 

Ashli Babbitt, 35, era uma veterana da Força Aérea e morava em San Diego, na Califórnia. A identidade foi confirmada pelo marido dela, Aaron, à KUSI-TV, uma emissora local. Segundo ele, a esposa era uma forte defensora do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. 

A sogra de Ashli, Robin Babbitt,  se manifestou e disse ao jornal The New York Post, “Estou estarrecida. Estou devastada. Ninguém de DC (Washington) notificou meu filho e descobrimos na TV”. 

O jornal (The Nem York Post) mostrou em reportagem que no dia anterior ao de sua morte, Babbitt escreveu em sua conta no Twitter: “Nada vai nos parar?. eles podem tentar e tentar e tentar, mas a tempestade está aqui e está caindo sobre DC em menos de 24 horas.” 

A sessão de certificação da Vitória de Joe Biden, voltou às 20hs no horário local, o que corresponde às 22h no horário de Brasília, a sessão recomeçou com o vice de Donald Trump, Mike Pence, se pronunciando.  

“Aqueles que causaram estragos em nosso Capitólio hoje, vocês não venceram. A violência nunca vence. A liberdade vence. Esta ainda é a casa do povo. Ao nos reunirmos nesta câmara, o mundo testemunhará novamente a resiliência e a força de nossa democracia.”  

Donald Trump demorou mas se posicionou, ele afirmou que no dia 20 haverá uma “transição ordenada”. 

“Embora eu discorde totalmente do resultado da eleição e os fatos me confirmem, haverá uma transição ordenada em 20 de janeiro”, disse o presidente em um comunicado postado no Twitter.