Bolsonarista que assassinou o petista Marcelo Arruda em festa de aniversário tem prisão decretada pela justiça


William Gama

O crime aconteceu durante uma festa de aniversário com temática petista, onde Arruda comemorava seus 50 anos no dia de sua morte

Clique para ouvir a notícia.

O policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, 37 anos, que invadiu uma festa e assassinou a tiros o tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), Marcelo Arruda, no último sábado (9), em Foz do Iguaçu, no Paraná, se diz cristão, conservador e antiviolência. O crime aconteceu durante uma festa de aniversário com temática petista, onde Arruda comemorava seus 50 anos, no dia de sua morte.

Em suas redes sociais, Jorge já defendeu veementemente punição para qualquer ato que conduza a violência. Apoiador do presidente Jair Bolsonaro (PL), ele afirma ser contra o aborto e ao uso de entorpecentes. Na hora em que Guaranho começou o tiroteio, Arruda, que também estava armado, logo revidou ao ataque. E na hora da troca de tiros, Jorge também foi baleado e está internado em estado grave. 

Guaranhos, é agente penitenciário federal desde 2010. Nas suas redes sociais, Jorge possui várias publicações pró-governo bolsonarista, onde é a favor do porte de arma de fogo para a população. Em janeiro de 2019, ele publicou que apoia o presidente Bolsonaro em 200%.  No mês de junho de 2021, ele postou uma foto ao lado de um dos filhos do presidente, o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro.

Em suas postagens, Jorge sempre fez questão de deixar claro que é adepto de armas de fogo. Em uma foto publicada em 2020, ele registrou a imagem fazendo gestos a alusão de armas com as mãos, foram os mesmos sinais que o presidente Jair Bolsonaro e seus filhos fizeram na campanha eleitoral de 2018, gesto característico de armas com as mãos do presidente. 

Guarda municipal, Marcelo Arruda: crime político. Foto: divulgação

Segundo o boletim de ocorrências que foi registrado pela polícia civil, o agente penitenciário chegou ao local de carro, onde se encontravam uma mulher e um bebê. O documento traz a informação de que ele já desceu do carro armado e gritando, “Aqui é Bolsonaro”.

Ainda consta no boletim registrado, que as pessoas que estavam na festa, não conheciam o assassino e ele nem sequer tinha sido convidado a participar da comemoração. Marcelo Arruda após os disparos, foi levado às pressas para o Hospital Municipal da cidade, mas ao longo do caminho, não resistiu aos ferimentos, vindo à óbito. 

Após o incidente, o bolsonarista sobreviveu e está internado na UTI, em estado grave, sob escolta policial, em um Hospital de Foz do Iguaçu. Nesta segunda-feira (11), a justiça decretou a prisão preventiva do acusado, pelo assassinato de Marcelo Arruda. O anúncio foi feito pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), onde as investigações preliminares segundo o promotor de justiça Tiago Lisboa Mendonça, contará com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), fará parte das investigações do caso.

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SSP-PR), afastou a delegada Iane Cardoso das investigações sobre o assassinato do guarda municipal petista Marcelo Arruda.

Delegada Iane Cardoso. Foto: divulgação.

Segundo a reportagem divulgada pelo site Fórum, Iane Cardoso propagou discurso de ódio ao PT e contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT). Em suas redes sociais, Iane até maio de 2017, um ano antes da eleição de Jair Bolsonaro a presidência, postava discursos que incentivavam e alimentavam o ódio aos petistas e aos partidos de esquerda.

Com a saída de Iane Cardoso do caso, quem assume as investigações será a delegada divisional de homicídios, Camilla Cecconello. De acordo com aa SSP, a permuta da delegada se deu porque “a divisional de homicídios tem mais recursos e experiência para a situação”, afirmou. A nova delegada do caso terá o apoio do delegado geral do estado, Silvio Jacob Rockembach. O procurador-geral de Justiça designou o promotor Tiago Lisboa Mendonça para acompanhar o caso junto ao MP-PR.

Fontes: Jornal Estado de Minas, Fórum, G1, Brasil 247.

William Gama é formado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e Mestrando em História (UNICAP). Gosta de produzir matérias de diferentes nichos em Mídias e Redes Sociais. Instagram: williamgama.J