Força Nacional permanecerá por seis meses na Amazônia


O governo federal prorrogou, por mais seis meses , a atuação da Força Nacional de Segurança Pública em apoio às ações do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) na Amazônia. Portaria publicada nesta quarta-feira, no Diário Oficial da União, prevê o emprego dos militares na região até 11 abril de 2021.

De acordo com o texto, a Força Nacional vai continuar atuando em ações “com ênfase no combate ao desmatamento, extração ilegal de minério e madeira e invasão de áreas federais, em caráter episódico e planejado”. O número de militares a ser disponibilizado irá obedecer ao planejamento definido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

A Força Nacional começou a atuar no combate a crimes ambientais na Amazônia em 2018, desde então o governo vem fazendo prorrogações para manter o efetivo na região.

No final de setembro, o governo autorizou o envio da Força Nacional ao estado de Mato Grosso para ajudar no combate aos incêndios florestais no Pantanal. O bioma enfrenta também um desastre ambiental que destruiu mais de 20% da sua cobertura vegetal.

Governador do Amazonas, Wilson Lima é alvo da Polícia Federal


O governador do Estado do Amazonas, Wilson Lima (PSC) é o novo alvo da Polícia Federal. O órgão cumpriu nesta terça-feira (30) mandados de busca e apreensão na casa e no gabinete do chefe de estado.

A ação faz parte da Operação Sangria, que investiga desvio de recursos federais usados no combate à epidemia do novo coronavírus. Além da residência de Lima e da sede de governo, a PF cumpre outros 18 mandados de busca e apreensão e oito mandados de prisão temporária.

Entre os presos está a secretária de Saúde, Simone Papaiz. Ela, no entanto, assumiu o cargo em 8 de abril, após a negociação do contrato sob investigação. Ex-secretária de Saúde de Bertioga (SP), ela entrou no governo pouco antes do pico da epidemia no Amazonas.

Wilson Lima Foto: Diego Peres
Wilson Lima Foto: Diego Peres

Ele é o terceiro governador sob investigação por suspeita de corrupção no uso de verbas para o combate da Covid-19. Wilson Witzel (PSC-RJ) e Helder Barbalho (MDB-PA) já foram alvo de ações semelhantes.

O principal foco da investigação é a compra de 28 respiradores de uma empresa importadora de vinho. Segundo perícia da PF, houve um sobrepreço de 133,67% em relação ao preço de mercado. O valor suspeito de desvio é de até R$ 2,2 milhões.

“Evidenciou-se o direcionamento da compra para empresa cuja atividade era/é a comercialização de vinhos. Os ventiladores mecânicos hospitalares entregues ao estado do Amazonas, pela referida empresa, não possuíam as especificidades técnicas necessárias para a adequada utilização no tratamento médico”, afirma a PF, em nota.

Em nota, o governado do Amazonas afirmou que “aguarda o desenrolar e informações mais detalhadas da operação”. “O governador Wilson Lima, que estava em Brasília para cumprir agenda de trabalho, está retornando para Manaus.”

A operação foi batizada “Sangria” em alusão à importadora de vinhos suspeita de te participado do desvio.

O manejo dos recursos e a gestão da crise da Covid-19 já provocaram a abertura de um processo de impeachment contra Wilson Lima e a criação da CPI da Saúde na Assembleia Legislativa do Amazonas.

O processo de impeachment, no entanto, foi suspenso em 26 de maio pelo Tribunal de Justiça do estado, que acatou o argumento do deputado Dr. Gomes (PSC) de que a tramitação não seguiu o regulamento interno.

O pedido de abertura havia sido feito no final de abril pelo Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), que acusa Lima de crimes de responsabilidade e improbidade administrativa por mau uso de recursos públicos da saúde pública do Amazonas.

Sem Amazônia, região seria 5,5ºC mais quente e continente teria menos chuva


Mais um alerta para aqueles que defendem a ideia de explorar os recursos naturais da Floresta Amazônica. Uma simulação computacional feita por pesquisadores da Universidade de Princeton (EUA) comprova que, caso a grande vegetação fosse transformada em um imenso pasto, o local poderia esquentar 2,5 graus Celsius a mais do que o resto do mundo na segunda metade deste século, dependendo do cenário global. Poderia ficar, portanto, 5,5 graus Celsius mais quente do que era no século 19.

Tal aumento de temperatura, porém, seria apenas a ponta do iceberg. Sem a mata, a região também perderia entre 700 mm e 800 mm de chuva por ano (o equivalente a mais ou menos metade da chuva que cai no município de São Paulo anualmente). Isso reduziria tanto o fluxo de água dos rios da Amazônia quanto a pluviosidade que a área exporta para o resto do Brasil e da América do Sul.

Os dados foram apresentados por Stephen Pacala e Elena Shevliakova durante a conferência “Amazonian Leapfrogging” (algo como “pulo-do-gato amazônico”). O evento foi realizado pelo Brazil Lab, órgão da universidade americana dedicado a estudos sobre questões brasileiras.

Especialistas e representantes da sociedade civil de ambos os países se reuniram para debater soluções inovadoras para a crise enfrentada pela Amazônia –os tais “pulos-do-gato” do título da reunião. “Na minha opinião, enfrentamos quatro grandes crises ambientais no mundo: clima, alimentos, água e biodiversidade. A Amazônia está no epicentro de todas elas”, declarou Pacala. “A modelagem que fizemos ajuda a comunicar a urgência por trás disso.”

Segundo Shevliakova, a equipe de Princeton se inspirou numa pesquisa similar dos anos 1990 que tinha entre seus coautores o climatologista brasileiro Carlos Nobre (um dos convidados do evento nos EUA). “O impressionante é como a magnitude dos efeitos, em grande medida, acabou se mantendo”, contou ela.

Os modelos matemáticos do novo estudo levam em conta detalhes específicos da interação entre a atmosfera e a superfície terrestre em florestas tropicais, em especial a química atmosférica e a presença de aerossóis –no caso da Amazônia, partículas de matéria orgânica, de diferentes tamanhos e composições, que são emitidas pela própria floresta.

Tudo indica que os aerossóis atuam como “sementes” de nuvens, ajudando a manter nos elevados níveis atuais a chuva que costuma cair em território amazônico.

Sem a mata, portanto, os modelos mostraram grandes alterações na precipitação e na umidade, o que contribui para o excesso de calor. “São mudanças tremendas as que nós vemos. Tanto o mundo quanto a Amazônia jamais seriam os mesmos”, declarou Shevliakova. Caso a devastação alcance 50% da floresta, os impactos na temperatura regional também seriam mais ou menos a metade do que aconteceria com o desmate completo.

Para evitar que esse cenário acabe se concretizando –convém lembrar que 20% da floresta já foi desmatada desde os anos 1970–, os participantes do evento defendem que é preciso combinar desenvolvimento econômico “inteligente” e inovação tecnológica de maneira a gerar renda na região sem mais desmatamento.

Folclore brasileiro


A homenagem de Fabrício Gomes e do Carvalho News aos Folcloristas que tanto fazem por amor e com muita garra, valorizando nossa cultura.

 

Arena Motor Show reúne amantes de carros


Amazonas

No último dia 19, a  Associação Automobilística de Clubes do Amazonas (AACAM), junto a  Secretaria de Juventude Esporte e Lazer (SEJEL) promoveram o 1º Encontro de Clubes. O objetivo da iniciativa é atrair o público amante e apaixonado por carros e motos.

O que tem chamado a atenção nos últimos anos é o crescimento de eventos de carros e motos em todo o Brasil. Poder prestigiar muito a história que cada expositor tem a contar, as aventuras com seus carros, suas raridades e cada detalhe em seus veículos, regados de amor e cuidado.

O evento contou com a participação de um dos Clubes Antigos Chevette Car Clube Amazonas, presidido pelo Sr. Afrânio Sales e o Sr. Márcio Carvalho. Em breve, mais edições de muita história e lazer. É sempre um prazer poder registrar através da fotografia a união dos clubes, das famílias, a animação e descontração.

Você já veio ao Amazonas e ainda não conheceu nossos patrimônios culturais e históricos? Pois você não sabe o que está perdendo! Venha ao Amazonas e sinta a natureza presente em nosso meio e nossas Belezas. Aguardamos você no Amazonas e na Amazônia.

Fonte: Fundação Vila Olímpica Danilo Duarte de Matos Areosa

Amazonense de Manaus, Fabrício Gomes, é fotógrafo,fabriciogomes2018

administrador da Gomes TURISMO,

amante da Natureza e das Belezas Amazônicas

Fabrício Gomes mostra a você: Manaus


Por Fabrício Gomes

Para chegar a Manaus, seus acessos se dão por vias aéreas no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes; terrestre através de nossas rodovias, e por hidrovias. Nossos rios no Porto Rodway, caminhos de vida, a travessia de sonhos, caminho de muitos no nosso estado.

Muitos são seus atrativos turísticos. Ao chegar a Manaus, você se fascina com cada canto e cada lugar. Nossa culinária, as iguarias dos peixes, nossos artesanatos e muito mais.

O Mercado Municipal Adolpho Lisboa, conhecido por muitos como Mercadão, guarda muita historia. Ele é considerado símbolo da arquitetura do Período Áureo da Borracha, tombado pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ao nível Nacional.
Local de chegada e partida, para quem vem e sai de barco no Porto de Manaus Rodway, que é o principal meio de locomoção para visitantes e moradores.

Conheça também o Imponente Teatro Amazonas, localizado no Centro da cidade. A construção foi inaugurada no ano de 1896. Ele é palco de inúmeras obras literárias, representando a cultura de nosso Estado.

Além de muitos outros lugares a se conhecer chegando a Manaus, cidades próximas que revelam toda beleza que o Amazonas possui, recantos de muita paz e descanso. É garantia de contato total com a natureza. Eu garanto: há inúmeras aventuras que você pode conferir vindo ao Amazonas.

E ai? Posso contar com você na próxima viagem? Espero que sim!

fabriciogomes2018

 

Amazonense de Manaus, Fabrício Gomes, é fotógrafo,

administrador da Gomes TURISMO,

amante da Natureza e das Belezas Amazônicas

Amazonas: belezas e encantos


Por Fabrício Gomes

O Amazonas é o maior estado do Brasil. Está localizado na Região Norte e sua capital é Manaus, a bela dos trópicos. Comporto por 62 municípios, seu território é coberto em sua totalidade pela maior floresta tropical do mundo (Floresta Amazônica) e conta com 98% de sua área preservada.
Aliados ao seu potencial ecológico e a uma política de negócios, embasada na sustentabilidade, a capital amazonense se tornou a sexta mais rica do País.

Há três patamares de altitude no relevo amazonense: os igapós – áreas que permanecem inundadas constantemente onde sua vegetação se adapta com suas raízes submersas. A várzea, inundada no período de subida dos rios, em media de seis em seis meses. E, o baixo Platô que fica na parte elevada (conhecidos como terra firme), e nunca são inundadas.

Rica por natureza, a Floresta Amazônica possui milhares de espécies de animais e vegetais. Lá vivem ainda importantes espécies de animais de grande, médio e pequeno porte, como por exemplo, onças, antas, ariranhas, sucuris, jacarés e muitos outros.

Você está convidado, a partir de hoje, a conhecer alguns dos mais belos lugares dessa região tão importante para nosso Brasil e também para o mundo. E ai? Vem comigo nessa aventura?

Amazonense de Manaus, Fabrício Gomes, é fotógrafo,administrador da Gomes TURISMO,

amante da Natureza e das Belezas Amazônicas .