CPF: veja como tirar o documento em caso de menores de idade


Documento essencial para a realização de uma série de tarefas: além da declaração do Imposto de Renda (IR), o CPF é necessário para abrir conta em banco, comprar e vender imóveis e fazer investimentos. Depois de consegui-lo, o cidadão recebe um número que o acompanha permanentemente pelo resto da vida civil.

 

As pessoas físicas podem obter o cadastro pela internet ou em alguns órgãos credenciados pela Receita Federal: Correios, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal Ministério do Trabalho e Itamaraty. Para quem está fora do país, isso pode ser feito em embaixadas e consulados. O serviço é gratuito quando é feito pela internet, mas é cobrado nos locais credenciados. Nos Correios e nos bancos, é cobrada taxa de R$ 7,50.

Para menores de 16 anos, é preciso apresentar um documento de identidade da pessoa a ser inscrita contendo a naturalidade, data de nascimento e filiação. Vale, por exemplo, a certidão de nascimento. Além disso, é preciso levar um documento de identificação de um dos pais, curador, tutor ou guardião, conforme o caso.

O serviço online, pela página da Receita na internet, só pode ser usado por quem tem entre 16 anos e 25 anos e possui um título de eleitor regular. É preciso preencher um formulário com nome, data de nascimento, nome da mãe, título de eleitor e endereço.

Já quem vai a um local credenciado precisa levar alguns documentos. É necessário apresentar o original ou cópia autenticada da identidade com foto, título de eleitor ou protocolo de inscrição fornecido pela Justiça Eleitoral.

banercpf2

NOVA IDADE MÍNIMA

A Receita Federal publicou uma Instrução Normativa no Diário Oficial da União que torna obrigatório o número de CPF na declaração do IR de dependentes com 12 anos ou mais. A exigência já vale a partir da declaração entregue em 2017. Até então, a obrigatoriedade só abarcava quem tinha mais de 14 anos.

Com a obrigatoriedade, a Receita pretende reduzir casos de retenção de declarações em malha fina e fraudes relacionadas à inclusão de dependentes fictícios. Além disso, querem prevenir a inclusão de um mesmo dependente em mais de uma declaração.

Bandeira vermelha nas contas de energia eletrica


A bandeira tarifária que será aplicada nas contas de luz de novembro será a vermelha patamar 2, com acréscimo de R$ 5 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), não houve evolução na situação dos reservatórios das usinas hidrelétricas em relação ao mês anterior.

“Ainda que não haja risco de desabastecimento de energia elétrica, é preciso reforçar as ações relacionadas ao uso consciente e combate ao desperdício”, diz a agência.

Na última terça-feira (24), a Aneel aprovou uma proposta de reajuste de quase 43% sobre o atual valor da bandeira tarifária vermelha patamar 2, a mais cara do sistema, passando o valor da taxa extra de R$ 3,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) e passarão a pagar R$ 5 de taxa extra, já a partir de novembro.

bandeiravermelhaconta

Comitê fará reuniões semanais para monitorar geração de energia no país

Em outubro, a bandeira vermelha patamar 2 foi acionada pela primeira vez desde que o sistema passou a contar com duas graduações para a cor vermelha, em janeiro de 2016. A decisão foi tomada devido à baixa vazão das hidrelétricas, porque as chuvas em setembro ficaram abaixo da média.

Por causa do atual cenário de falta de chuvas, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) decidiu que vai fazer reuniões semanais para analisar as condições de fornecimento de energia no país.

Até ontem (26), o nível dos reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste, os mais importantes do país, estavam em 17,9% de sua capacidade máxima. No mesmo período de 2001, quando houve um grande racionamento de energia do país, o índice estava em 21%.

infografico_tarifas

Sistema

O sistema de bandeiras tarifárias foi criado em 2015, como forma de recompor os gastos extras com a utilização de energia de usinas termelétricas, que é mais cara do que a de hidrelétricas. A cor da bandeira é impressa na conta de luz (vermelha, amarela ou verde) e indica o custo da energia em função das condições de geração.

Quando chove menos, por exemplo, os reservatórios das hidrelétricas ficam mais vazios e é preciso acionar mais termelétricas para garantir o suprimento de energia no país. Nesse caso, a bandeira fica amarela ou vermelha, de acordo com o custo de operação das termelétricas acionadas.

Mais indígenas nas universidades públicas brasileiras


Estudantes indígenas participam, hoje (28/10), de processo seletivo para ingresso em cursos da Universidade de Brasília (UnB). Ao todo, 716 candidatos tiveram inscrição homologada e concorrem a uma das 72 vagas em 21 cursos de graduação da UnB.

O chamado vestibular indígena é composto por duas fases: na primeira, prova objetiva e redação; na segunda, análise de documentação e entrevista. Ambas serão realizadas nas cidades de Brasília; Águas Belas, em Pernambuco; Baía da Traição, na Paraíba; Cruzeiro do Sul, no Acre; Manaus e Lábrea, no Amazonas; e Macapá.  Os 716 candidatos que tiveram a inscrição homologada concorrem a uma das 72 vagas em 21 cursos de graduação da universidade.

A UnB foi a pioneira na adoção do vestibular indígena, mas há três anos não realizava esse processo seletivo, que é parte do acordo de cooperação técnica entre a Fundação Nacional do Índio (Funai) e a Fundação Universidade de Brasília (FUB).

Segundo o diretor de Acompanhamento e Integração Acadêmica da UnB, Diego Madureira, a retomada foi fruto de demanda dessa população. Ele diz que o processo é muito peculiar, pois tem como público-alvo pessoas que vivem em comunidades tradicionais, nas quais há pouco acesso à internet, por onde geralmente são divulgadas informações sobre vestibulares, e que vivem em condições econômicas precárias. Prazos alargados, mobilização de indígenas que já estudam na instituição e contato com organizações foram algumas das estratégias adotadas para superar essa dificuldade.

indigenas na universidade2
Fotos: divulgação

De acordo com Madureira, essa ação afirmativa aprovada pelas instâncias superiores da universidade acaba atingindo uma parcela da população que não é atendida sequer pelas cotas tradicionais. “O nosso público é aquele que jamais teria essa oportunidade”, ressalta. Como resultado, a UnB espera viabilizar tal oportunidade e  tornar o ambiente universitário mais diverso.

Ao longo dos anos 2000, diversas instituições seguiram o exemplo da Universidade de Brasília e, atendendo à demanda dos povos indígenas, passaram a adotar processos seletivos direcionados para eles. O vestibular indígena é feito também pelas universidades federais do Paraná, da Bahia, de São Carlos, do Amazonas e de Roraima e pela universidade estadual do Paraná.

A Universidade Federal de Roraima é a única que conta com um instituto de formação superior indígena, o Insikiran, que oferece três cursos de formação em nível de graduação para povos tradicionais: os bacharelados em gestão ambiental e gestão em saúde coletiva, além da licenciatura intercultural.

A lista tende a crescer. Recentemente, uma das instituições de ensino mais importantes do país, a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), apresentou proposta de adoção do vestibular indígena para 2019. Fruto de estudo da comissão responsável pelo processo seletivo (Comvest), a proposta partiu da percepção da baixa presença indígena na Unicamp. Desde a adoção da Política de Ações Afirmativas da Unicamp, em 2004, o número médio de ingressantes varia de 7 a 17 estudantes matriculados por ano. A proposta prevê que todos os cursos de graduação da Unicamp ofereçam pelo menos mais de uma vaga suplementar destinada a indígenas até 2021.

Os vestibulares específicos têm base na Constituição Federal de 1988, que reconhece o direito dos povos indígenas a uma educação diferenciada, que respeite os modos de produção e transmissão de conhecimentos próprios de cada povo e orienta a efetivação de política nesse sentido. Parte, ademais, da consideração de que o atual modelo de escolas indígenas com currículos diferenciados traz a importância de um acesso específico que contemple e reconheça o modelo de educação diferenciada, de forma a garantir o princípio da equidade, diz documento da Comvest.

Outro mecanismo que tem levado à ampliação da presença indígena no ensino superior é a oferta de cursos de licenciatura intercultural para estes grupos. Criado no contexto do Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), tem como meta formar professores para lecionar em escolas indígenas. Nesses cursos, seguindo o método da pedagogia da alternância, o aprendizado ocorre tanto em sala quanto nas comunidades, em períodos de aplicação prática. Hoje, segundo a Funai, pelo menos 15 universidades públicas oferecem tal formação.

Além desses instrumentos específicos, a política mais ampla definida pela Lei de Cotas tem gerado a reserva de cerca de 5% das vagas totais das instituições de ensino superior para indígenas. Neste caso, eles têm acesso à  universidade pelo vestibular tradicional.

Pós-graduação

Nos cursos de pós-graduação, a movimentação para essa abertura, inclusive por meio de cotas, é mais recente. Em 2015, a Universidade Federal de Goiás foi a primeira instituição pública de ensino do país a adotar cotas na pós-graduação. A reserva de vagas para indígenas já é uma realidade também nos programas de pós-graduação em antropologia social do Museu Nacional (UFRJ) e de Antropologia da Universidade Federal da Bahia, bem como nos cursos de mestrado em antropologia e linguística da UnB, entre outros. A UnB oferece ainda mestrado profissional em sustentabilidade junto a povos e terras tradicionais, com a maioria das vagas destinada a pessoas de comunidades tradicionais.

Neste ano, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) adotou, por consenso, uma resolução inédita:  reservou vagas para negros, indígenas e pessoas com deficiência em todos os programas de mestrado, mestrado profissional e doutorado. No caso dos indígenas, eles adquiriram o direito de ter acesso a pelo menos uma vaga suplementar em cada curso. A medida valerá para processos seletivos realizados a partir de 2018. Os vestibulares sofrerão adaptações para atender, entre outras situações, a necessidades de indígenas que não dominam a língua portuguesa.

 

Patricia Abravanel ajuda a baixar o nível do Jogo dos Pontinhos


merendolina

Crítica de TV com Vivi Merendolinna

 

Meus amores estou de volta! Já  estava com muitas saudades de vocês! Bom, muitas coisas rolaram nessas semanas. Algumas sem tanta importância, mas outras merecem destaque aqui na seção. Lembram daquele episódio estranho envolvendo a Patrícia Abravanel e a Helen Ganzaroli. A filha do homem do Baú quis bancar à engraçada mais uma vez, jogando um pedaço de bolo no rosto da morena. A cena foi escrota, ridícula, independente de ter sido uma ‘brincadeira’ armada ou não. E, por falar nisso, aquele Jogo dos Pontinhos já foi interessante. Mas, atualmente, não passa de um amontoado e agressões verbais sem o menor sentido. Chega ser grosseiro. Não se espantem se literalmente o pau cantou entre aquela mulherada como ego inflamado.

Mudando de assunto. A nova trama das 21h, O Outro Lado do Paraíso começou bem, e tem tudo para atingir os índices de audiência similares aos da fantástica Força do Querer. Walcyr Carrasco acertou em cheio ao ambientar a trama no Estado do Tocantins. Estou impressionada com a atuação de Sérgio Guize. O ator está fantástico na pele do problemático Gael, esposo da doce e bela Clara, interpretada por Bianca Bim. Claro que há os famosos clichês, como aquela cena que a personagem Sophia da atriz Marieta Severo pega um maço de dinheiro para subornar a futura noiva do filho. Mas isso não tira o mérito da trama que possui os ingredientes para ser um sucesso. É esperar para ver!

zorro-do-outro-lado-do-paraiso
Foto: reprodução de internet

Anitta pode ter que pagar R$2,8 milhões de multa


A situação da cantora Anitta pode se complicar. O advogado de Kamilla Fialho, ex-empresária da cantora, acaba de entrar com um pedido na Justiça do bloqueio de bens e do passaporte da cantora. No último dia 16 de outubro, o desembargador Adolpho Andrade negou o recurso de Anitta no processo movido por Kamilla, que pede indenização de R$ 2, 8 milhões por multa de quebra de contrato. “Rejeitou impugnação a laudo pericial e determinou a realização de depósito complementar a título de multa contratual”, diz trecho do texto sobre a decisão. A Justiça determinou o pagamento imediato desse valor.

“Entramos com um pedido de bloqueio de bens e do passaporte que será apreciado pela Justiça. É uma forma de garantir o pagamento da multa porque o prazo já passou. É o que eu posso fazer como advogado para que o depósito seja feito. Segundo a lei, o juiz pode usar de todos os meios para exigir o pagamento, pode requerer medidas coercitivas, como o bloqueio também do passaporte”, diz Leonardo Gomes da Silva, advogado de Kamilla Fialho, que aguarda para logo a decisão: “A previsão é que saia na semana que vem”.

anitta2
Anitta Foto: divulgação

Em nota, os advogados da cantora disseram que “O pedido feito pelos advogados da K2L ainda não foi julgado. De qualquer forma, ele é incabido, uma vez que o recurso negado ainda cabe apelação e é nisso que estamos trabalhando no momento. A hipótese de Anitta estar desrespeitando qualquer medida judicial esta fora de cogitação. Ela sempre colaborou com o processo e assim seguirá.”

Vale lembrar, que Anitta e Kamilla Fialho brigam na Justiça desde 2014, quando a cantora decidiu romper com a empresária e começar a gerenciar sua própria carreira. Kamilla era empresária da cantora quando ela estourou no país inteiro com “Show das Poderosas”.

Lista suja da escravidão já está disponível


Enfim, a chamada “lista suja” com os 131 empregadores que submeteram empregados a condições análogas à escravidão foi divulgada pelo Ministério do Trabalho.  O documento pode ser encontrado no site da pasta, no endereço: http://trabalho.gov br/images/Documentos/cadastro_empregadores_2017.pdf.

O Ministro do Trabalho Ronaldo Nogueira e a União foram obrigados, por decisão da Justiça do Trabalho do Distrito Federal, a publicar a “lista suja” do trabalho escravo.

Segundo a Justiça, transitou em julgado decisão proferida no dia 21 de junho pelo juiz titular da 11ª Vara do Trabalho Rubens Curado Silveira. A informação foi publicada no site do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região.

O juiz federal determinou a publicação imediata do Cadastro de Empregadores, com a inclusão de todos os administrados que detenham contra si decisão administrativa final de procedência do auto de infração capitulado no artigo 444, da CLT, decorrente de exploração de trabalho análogo ao de escravo desde a data de 1º de julho de 2014.

trabalho-escravo-arquivo-O-GLobo
Trabalho Escravo Foto: arquivo O Globo

O magistrado ainda impôs que fosse oportunizada, em caráter excepcional, a celebração de acordo judicial ou TAC com os administrados que venham a ser incluídos na primeira publicação da “lista suja” e que tenham contra si decisão administrativa final de procedência do auto de infração proferida antes da vigência da Portaria Interministerial nº 4/2016. Com isso, a publicação da “lista suja” passa a ser obrigatória e deve incluir “todos” os empregadores autuados, sem exceção.

Portaria

Alterações na elaboração da “lista suja” impostas pelo governo foram barradas no Supremo Tribunal Federal. A ministra Rosa Weber concedeu uma liminar para suspender os efeitos da portaria do Ministério do Trabalho que flexibiliza as regras de combate ao trabalho escravo. A decisão deve passar por referendo do plenário. Weber é relatora da ação de autoria da Rede Sustentabilidade, que pede que tal portaria, publicada no dia 16 de outubro, seja declarada inconstitucional.

A portaria, publicada no último dia 16 no Diário Oficial, determina que só o ministro do Trabalho pode incluir empregadores na Lista Suja do Trabalho Escravo, esvaziando o poder da área técnica responsável pela relação. A nova regra alterou a forma como se dão as fiscalizações, além de dificultar a comprovação e punição desse tipo de crime.

Itapé: vereador Enderson Guinho fala de motivação aos alunos do CCAMS


O vereador Enderson Guinho visitou, na noite de quinta-feira (26/10), o Colégio Comunitário Alzair Martins da Silva (CCAMS), em Itapé (BA). O político foi convidado pela direção da instituição para explanar sobre “Juventude e Escola”. Enderson falou aos presentes sobre suas motivações e trajetória como estudante de escola pública.

“Desde a época do Colégio CAIC, fui incentivado a estar à frente no grupo de lideranças. Após, no Amélia Amado, com o colegiado, sempre tive a motivação de estar à frente e defender os direitos dos jovens. Além de correr atrás dos meus sonhos e objetivos. A trajetória de um jovem não é fácil, mas com persistência, estudo e dedicação é possível sim”, garantiu o vereador, de 24 anos.

WhatsApp Image 2017-10-27 at 1.28.59 PM
Evento no CCAMS buscou motivar os alunos Fotos: divulgação

Ele também falou de sua paixão pela Química, que o fez ingressar na UESC (Universidade Estadual de Santa Cruz), bem como sua desistência para seguir carreira no Curso de Direito, o qual hoje é apaixonado e está cursando o quarto semestre. O evento também contou com a presença da secretaria da Educação de Itapé, Luzinete Miranda, e do presidente do Conselho Municipal da Educação de Itapé (CME), professor Sandro Lyra e do corpo docente do CCAMS.

 

Jungmann garante que não há possibilidade de intervenção militar


O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que não existe qualquer possibilidade de intervenção militar no Brasil, por conta da crise política, conforme pregam alguns setores da sociedade e até militares da ativa. Segundo o ministro, as Forças Armadas estão em paz dentro dos quartéis.

Raul Jungmann participou neste sábado (21) da solenidade que marcou o fim das operações do Brasil na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), depois de 13 anos de atuação.

Após o evento, ele conversou com os jornalistas e garantiu que não há espaço para qualquer participação militar no país fora do que é determinado pela Constituição. As afirmações do ministro contrariam correntes políticas que pedem a volta do regime militar, caso a sociedade civil não resolva os impasses políticos e jurídicos.

“Existe paz e tranquilidade dentro dos quartéis e nas Forças Armadas. Resumo o que as Forças Armadas entendem para o momento da seguinte maneira: dentro da Constituição, tudo, fora da Constituição, absolutamente nada”, respondeu o ministro, que questionou a validade de uma intervenção para o país.

“Para que intervenção militar? Para resolver o problema da Previdência? Para resolver o problema democrático, que está resolvido? Para resolver o problema da inflação, que está sendo resolvido? Para resolver o problema do desemprego, que está caindo? Para que intervenção militar, se o Brasil está sendo passado a limpo? Temos a Lava Jato, que está punindo aqueles que são responsáveis pela corrupção.”

raul_jungmann_0
Foto: Vladimir Platonow

Jungmann destacou que o Brasil vive um momento bom, punindo os corruptos. De acordo com o ministro, o país sairá desta fase fortalecido. Acrescentou que a situação atual é de democracia.

“Não existe nenhum tipo de possibilidade de qualquer intervenção militar, porque  vivemos uma situação democrática e é isso que vai continuar sendo, com o apoio das nossas Forças Armadas”.

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que não existe qualquer possibilidade de intervenção militar no Brasil, por conta da crise política, conforme pregam alguns setores da sociedade e até militares da ativa. Segundo o ministro, as Forças Armadas estão em paz dentro dos quartéis.

Raul Jungmann participou neste sábado (21) da solenidade que marcou o fim das operações do Brasil na Missão das Nações Unidas para Estabilização do Haiti (Minustah), depois de 13 anos de atuação.

Após o evento, ele conversou com os jornalistas e garantiu que não há espaço para qualquer participação militar no país fora do que é determinado pela Constituição. As afirmações do ministro contrariam correntes políticas que pedem a volta do regime militar, caso a sociedade civil não resolva os impasses políticos e jurídicos.

“Existe paz e tranquilidade dentro dos quartéis e nas Forças Armadas. Resumo o que as Forças Armadas entendem para o momento da seguinte maneira: dentro da Constituição, tudo, fora da Constituição, absolutamente nada”, respondeu o ministro, que questionou a validade de uma intervenção para o país.

“Para que intervenção militar? Para resolver o problema da Previdência? Para resolver o problema democrático, que está resolvido? Para resolver o problema da inflação, que está sendo resolvido? Para resolver o problema do desemprego, que está caindo? Para que intervenção militar, se o Brasil está sendo passado a limpo? Temos a Lava Jato, que está punindo aqueles que são responsáveis pela corrupção.”

Jungmann destacou que o Brasil vive um momento bom, punindo os corruptos. De acordo com o ministro, o país sairá desta fase fortalecido. Acrescentou que a situação atual é de democracia.

“Não existe nenhum tipo de possibilidade de qualquer intervenção militar, porque  vivemos uma situação democrática e é isso que vai continuar sendo, com o apoio das nossas Forças Armadas”.

Ilhéus: prefeitura promove projeto arte-dança em escolas públicas


A Secretaria de Educação de Ilhéus implanta nas escolas Darcy Ribeiro, Odete Salma e Instituto Municipal de Ensino (IME) Eusínio Lavigne o projeto Sociocultural Arte-Dança, que objetiva incentivar a leitura, a formação de plateia, fomentar a cultura e promover o conhecimento das obras do escritor Jorge Amado. O lançamento acontece no dia 6 de novembro, a partir das 18 horas, com espetáculos de balé, hip hop e danças interpretados por alunos sobre “Gabriela”, “Tereza Batista”, “Capitães de Areia”, dentre outras. O evento conta com a participação de 140 crianças da rede municipal.

Coordenado pela professora e coreógrafa Sôanne Marry Loiola, o espetáculo “EducaDance” tem a finalidade de mostrar o resultado do aprendizado ocorrido durante o ano letivo, e apresentar as diversas formas de manifestações culturais que fazem parte do variado repertório da cultura regional. O evento conta com a participação dos estagiários de educação física Elison Santos e Thielle Medrado, da Unime, e apoio da Biblioteca Pública Municipal Adonias Filho.balletfoto

Sôanne Marry Loiola informa que este ano o projeto terá a participação de professoras da rede municipal de ensino integrantes do “Programa de Atividade Física e Qualidade de Vida” que vão apresentar coreografias no segundo ato do espetáculo dedicado ao escritor Jorge Amado. “O objetivo é realizar a conscientização corporal utilizando músicas clássicas e específicas para aulas de balé clássico livre, jazz e hip hop, dando aos alunos da rede pública a oportunidade de desenvolver cultural e socialmente através da dança e da educação, e proporcionar a inclusão social”, ressaltou.

A coreógrafa relata ainda que a implantação do projeto surgiu através da visualização de uma necessidade latente de apoio a ampliação das atividades de arte-educação no município de Ilhéus, principalmente em se tratando de comunidades onde o fluxo de crianças e adolescentes sem oportunidades artístico-cultural é considerável. “A dança é sem dúvida uma das maiores catalisadoras da manifestação e expressão do movimento humano. Crianças e adolescentes necessitam de experiências de comunicação que permitam desenvolver sua criatividade e interpretatividade por meio dos eixos da arte”, conta.

UFRB lança SOS Abelhas


Problemas com abelhas? O projeto SOS Abelhas, uma iniciativa da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), está oferecendo a moradores da zona urbana ou rural o serviço de captura de enxames nos municípios do Recôncavo sul. Com equipamentos e técnicas próprias para a atividade, a proposta é proteger as comunidades, bem como preservar as colmeias.

Segundo a professora Maria das Graças Vidal, coordenadora da iniciativa do Setor de Apicultura do Centro de Ciências Agrárias, Ambientais e Biológicas da UFRB, no município de Cruz das Almas (a 137 km de Salvador), a primavera e o verão são as principais estações de produção das colmeias.

Isto acontece nesta época, segundo a professora, por causa de maior disponibilidade de flores nativas e exóticas na região do Recôncavo baiano.

Floração

O pico da floração ocorre entre os meses de julho e outubro, fase também de reprodução das abelhas e do aparecimento de novos enxames.

Por vezes isso está sujeito a ocorrer em áreas urbanas e em locais muito próximos dos humanos, representando perigo de ataques com ferroadas.

“Sem experiência, muitas pessoas usam produtos impróprios para lidar com o surgimento de colmeias, como inseticidas e até fogo, visando espantar os insetos e, com isso, matam o enxame”, disse a coordenadora do projeto, salientando que a formação de novos enxames ocorre em decorrência do instinto reprodutor das abelhas.

Maria das Graças Vidal ressalta que é preciso ficar atento aos sinais que indicam a presença de enxames. “Grupos de abelhas voando indicam que há pelo menos um enxame nas proximidades, bem como abelhas entrando e saindo de pequenas aberturas em paredes, telhados, armários ou troncos de árvores”, ela ensina.

Ao confirmar a existência de um enxame, de acordo com a especialista, a população deve acionar serviço especializado.

Na região, além de espécies nativas encontradas em menor escala, a maioria dos enxames é formada por abelhas híbridas, resultado do cruzamento de europeias com africanas, que chegam a produzir até 20 kg de mel por safra, dependendo da disponibilidade de flores.

650x375_mel-abelhas_1471631

Serviço gratuito

As cidades atendidas pelo projeto são Cruz das Almas, Sapeaçu, Conceição do Almeida, Governador Mangabeira, Muritiba, São Félix e Cachoeira. Entretanto, desde que acionado previamente, para que a equipe planeje o deslocamento, o projeto também pode atender a outras localidades da região.

A equipe do SOS Abelha pode ser solicitada pelo fone 75 3621-3196, de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, e das 14h às 17h, no Setor de Apicultura da UFRB.

Enxames alojados em locais de risco para a população são removidos e doados à universidade para que os estudantes e técnicos possam estudá-los e, desta forma, colaborar para a perpetuação das espécies, evitando a ação destruidora do homem.

Além de produzirem mel, própolis, geleia real e apitoxina (veneno usado no tratamento terapêutico), as abelhas são responsáveis pela produção de diversas culturas que necessitam da polinização para produção de frutos e sementes.